sábado, 25 de maio de 2013

ADERÊNCIAS PÉLVICAS E ENDOMETRIOSE: EM TESTE TRATAMENTOS PARA PREVENI-LAS!!!


O artigo de hoje é de grande importância para todas nós, endomulheres: aderências, o maldito grude que pode nos matar. Faz tempo que quero escrever sobre isso, já falei sobre a pelve congelada, mas eu sou a favor de além de falar a verdade sobre determinado assunto é preciso dar solução ao problema. Porque problemas nós temos de monte, não! Por isso, achei perfeito este artigo de um site inglês (ah, como sou agradecida a Deus por ter nascido numa família que me deu condição de muito estudo e conhecimento, e claro, por eu ter aproveitado todas as oportunidades). Meu grande problema com a endo não é tanto os focos, mas a aderência pélvica. Esse grude-grude como um chiclete quase me matou. E se não fosse a mão certeira, firme e especial do doutor Hélio Sato, talvez, eu não estaria mais aqui. Foi isso que ele me deu na minha primeira videolaparoscopiaem 2010: óbito. Pois eu já tinha órgãos sem funções dentro de mim por conta dessas malditas. Eu não quis nem perguntar quais. Faria diferença? Claro que não, pois sei que Deus me manteve viva por muitos anos. Somente agradeci ao nosso Pai pela ajuda. Realmente, eu tinha dor até para respirar, como disse o doutor Hélio. E nesse dia constatei que não era louca como muitos achavam. 


Sabemos que onde os focos da doença se implantam causam aderências, mas o meu grude foi por conta de duas cirurgias mal-feitas que feitas na adolescência: uma de apêndice (com corte no abdômen) aos 13 anos e uma laparotomia (nota da editora: cirurgia aberta, com corte, conhecida mais como “cesárea”), para retirar um endometrioma, mas na época fui diagnosticada com cisto no ovário! Pois é, as cirurgias com cortes também causam aderências, por isso, elas não são indicadas para quem tem endometriose. Eu vejo muitas mulheres com endo se submetendo a esse tipo de cirurgia e eu já começo a rezar. No começo, elas até irão ficar bem, claro, mas com o tempo, a dor vai voltar.  A dor da aderência é diferente, é aquela dor ardida que nem a própria morfina resolve. É uma dor constante que nos enlouquece, porque dói para tudo, desde andar até respirar. As aderências começam na própria cicatrização. Uma laparoscopia (nota da editora: cirurgia minimamente invasiva e recomendada para endometriose, onde é feito 3 pequenos orifícios no abdômen, dentre eles, no umbigo) também está sujeita a elas, mas num menor grau.


O diferencial deste artigo é possíveis tratamentos que já estão em testes nos Estados Unidos para prevenir as aderências. Os possíveis produtos ainda estão em teste, mas se aprovados, eles poderão ser utilizados nos casos de cirurgia com corte. Assim o risco de aderências, nesses casos, será muito menor. Não é o máximo! Uma esperança para muitas endomulheres. Por isso, eu sempre falo: tenha fé, seja perseverante e tenha muito esperança. Sei que muitas estão sofrendo, vivem como se tivesse “queimando no inferno”´por conta das dores, mas não desistam! Só espero que após a aprovação nos Estados Undos, não demore anos a fio para chegar ao Brasil, algum tratamento para o grude que pode matar qualquer pessoa. Porque qualquer pessoa que é submetida a uma cirurgia aberta, seja homem, idoso, mulher e ou criança, está sujeita a ter aderências. Espero que gostem do artigo. Beijo carinhoso! Caroline Salazar




A endometriose e as aderências


Tradução: Alexandre Vaz

Edição: Caroline Salazar


A forma mais eficaz de se obter o diagnóstico da endometriose é a por meio da cirurgia. Grandes progressos foram feitos neste campo e constantemente estão surgindo melhoramentos e novas técnicas. Junto com a laparoscopia e a diatermia (nota da editora: método terapêutico que consiste na elevação da temperatura no interior dos tecidos mediante o uso de radiação eletromagnética, corrente elétrica ou ondas ultrassônicas), novos avanços estão sendo feitos para minimizar a formação de aderências durante a cirurgia, enquanto se trata a endometriose. Ao ser capaz de reduzir a formação de aderências, vai existir uma maior chance de sucesso e maior chance de gestação após a cirurgia.


Como as aderências se formam após a cirurgia para endometriose


A formação de aderências depende de múltiplos fatores. A endometriose por si mesma pode provocar a formação de aderências, especialmente em estágios avançados da doença. A quantidade de superfícies peritoneais que ficam após a excisão pode servir como indicador para a probabilidade de aderências que venham a ser formadas. O peritônio é o revestimento interno abdominal. Trata-se de uma membrana transparente, de textura suave que reveste o abdômen e continua sobre a superfície dos órgãos internos, formando uma bolsa contínua. Nos casos de endometriose, essa bolsa está frequentemente coberta de aderências. O uso de barreiras ajuda a reduzir o risco de formação de novas aderências, formadas em consequência da cirurgia.


Quando o cirurgião separa aderências no abdômen originadas pela endometriose, deve ter muito cuidado em não utilizar instrumentos que danifiquem os tecidos. Prevenir a perda de sangue também é muito importante, porque a presença de sangue aumenta as chances de formação de aderências. Se o sangramento não puder ser evitado, deve ser realizada uma cauterização para controlar o fluxo sanguíneo ao abdômen. Pode ser feita irrigação para remover o excesso de sangue, e realizadas suturas para prevenir rejeição a corpos estranhos no abdômen.


Novos produtos para prevenir aderências, incluindo barreiras não-absorviveis


Estão disponíveis novos produtos para prevenir a formação de aderências. Ao separar fisicamente os tecidos afetados durante o período de cicatrização peritoneal – a cicatrização da membrana que reveste os órgãos reprodutores. Agentes de barreira, usados para esse propósito específico, incluem barreiras não-absorvíveis, absorviveis e fluídos. As barreiras não-absorvíveis começaram sendo usadas em cirurgias cardíacas. Elas precisam ser suturadas no local e não são dissolvem. Por esse fato, uma segunda cirurgia será necessária para remover as suturas, e como tal, esse tipo de barreira não é geralmente usada em cirurgia ginecológica.


Barreiras absorvíveis dão melhores resultados


As barreiras absorvíveis incluem Interceed e Seprafilm. Interceed é uma malha derivada da celulose. É aplicada sobre o tecido danificado e não requer sutura. Forma uma proteção gelatinosa em 8 horas e é absorvida em duas semanas. Numerosos estudos revelam que existe uma redução de 50% na formação de aderências com esse produto. A parte negativa da utilização do Interceed é que ele requer a completa ausência de sangue. Se o sangramento não parar totalmente, o risco de aderências aumenta. O Seprafilm se torna um gel em 24 horas após aplicação e é absorvido em sete dias. Os estudos revelam que tem reduzido eficazmente as aderências tanto em cirurgia nos intestinos como nos órgãos reprodutores. A natureza rígida dessa barreira a tornou muito útil nas laparotomias, mas não nas laparoscopias.


Fluídos absorvíveis – o melhor produto mais que vai demorar até estar disponível


Os fluídos absorvíveis possuem muitas vantagens porque revestem todas as superfícies, em oposição à cobertura limitada dos agentes de barreira. Um novo produto chamado Sparygel está por enquanto em testes clínicos nos Estados Unidos. É aplicado sob a forma de spay e forma um hidrogel. Gruda nos tecidos em que foi aplicado e permanece intacto por cinco a sete dias antes de iniciar o processo de degradação em que será facilmente absorvido e expelido pelo corpo. Os estudos revelam que a incidência das aderências diminui cerca de 70% com o uso de Spraygel. Infelizmente, ainda vai demorar até que esteja disponível nos Estados Unidos para a comercialização. Estas informações têm o intuito de informar as mulheres acerca do processo cirúrgico, dotando-as da capacidade de discutir com o seu cirurgião quais as possibilidades antes do tratamento.


28 comentários:

  1. A DESCOBERTA DA MINHA ENDOMETRIOSE FOI TARDIA,APÓS MAIS OU MENOS 20 ANOS DE SOFRIMENTOS,ONDE FUI TRATADA DE INUMERAS DOENÇAS (DIAGNÓSTICOS),E NENHUM,CHEGANDO NEM PERTO DA ENDOMETRIOSE,USANDO MEDICAMENTOS FORTISSIMOS,POR LONGOS PERIODOS,E AGORA CERCA DE 5 ANOS,FOI ENFIM, DIAGNOSTICADO A ENDOMETRIOSE,COMECEI O TRATAMENTO,TIVE QUE PARAR POR PROBLEMAS DE SAUDE DA MINHA MÃE(CANCER),ONDE ELA VEIO A FALECER Á CERCA DE 15 MESES E ENTÃO RETOMEI O MEU TRATAMENTO,MAS UM POUCO TARDIO,PARA OS HOMENS,PORÉM NÃO PARA DEUS,EU CREIO,JÁ ESTOU COM ADERENCIA,NO RETO,INTESTINO,BEXIGA,ÚTERO,E OVÁRIOS,VOU FAZER UMA HISTERECTOMIA TOTAL.ESTOU COM MUITO MEDO,POIS O CIRURGIÃO DISSE QUE SERÁ UMA CIRURGIA GRANDE,E QUE ENVOLVE MUITOS PROFISSIONAIS,MAS CONFIANTE NO CIRURGIÃO QUE VAI ME OPERAR E PRINCIPALMENTE EM DEUS,QUE ESTÁ NO CONTROLE DE TUDO,MAS TENHO QUE SER FORTE SE NÃO POR MIM,MAS PRINCIPALMENTE PELA MINHA FILHA QUE SÓ TEM 4 ANINHOS E PRECISA MUITO DE MIM.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Anônima, como vai?
      Seja muito bem-vinda ao blog! Infelizmente, a maioria de nós passamos por isso e temos o diagnóstico extremamente tardio. Eu indico médicos por convênios em SP, no PR e no ES, e a Unifesp, que tem o melhor tratamento público para endometriose, mas fica em São Paulo. Se precisar de ajuda para médicos escreva para carolinesalazar7@gmail.com Beijo carinhoso! Caroline Salazar

      Excluir
  2. Parabéns Carol pelo seu blog e toda a atenção que tem por nós portadoras da endo. Em que puder ajudar pra Levantar a nossa bandeira pode contar comigo.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Sarah, querida, como vai?
    Eu que agradeço por seu carinho. Onde você mora? Você pode me enviar um email, porque estou recrutando voluntários para um grande projeto em todo país. É justamente para levantar nossa bandeira. Meu email: carolinesalazar7@gmail.com com o título: voluntária. Beijo carinhoso! Caroline Salazar

    ResponderExcluir
  4. Oi Caroline, tudo bem?
    Gostaria de contar minha experiência com a cirurgia para a retirada das aderências da pelve, útero, trompas e intestino. Acho importante compartilharmos experiências para que todos possam ver que mesmo com dificuldades é possível sair bem de um evento desse porte.
    A cirurgia foi realizada no dia 18/05/13, pelos médicos Dr. Helio Sato e Roberto Ieiri, com duração de 7 horas. Foram retiradas as aderências, um pedaço do intestino e também a trompa esquerda.
    Após a cirurgia fiquei internada na UTI por dois dias. Não vou dizer que foram dias fáceis, além da dor da cirurgia, tinha o incomodo dos aparelhos de monitoração e também de uma sonda nosogastrica e de um dreno na barriga. Felizmente fui tratada muito bem no Hospital Santa Catarina, aonde tudo aconteceu e agradeço a todos de lá.
    Após os dois dias na UTI fui liberada para o quarto, sem a sonda nasogastrica. Que alívio! Mas o dreno ainda iria continuar até o penúltimo dia de internação e também a alimentação liquida. Foram mais 5 dias internada para recuperação e antibióticos e mais remédios!
    Sem dores fortes e com alimentação restabelecida, fui para casa muito contente. Agora é só rezar para que a endo não volte mais.
    Minha recuperação está ótima e na semana que vem já volto a trabalhar. Só precisei ficar afastada do trabalho 15 dias, muito intensos por sinal. Mas é possível se recuperar rapidamente. Fé em Deus e força!
    Gostaria de agradecer imensamente os MEDICOS Dr. Helio Sato e Roberto Ieiri pela competência, tolerância, carinho e dedicação com que me trataram. Fica impossível colocar todos os adjetivos que eles merecem. Eles sim devem ser considerados MEDICOS!
    Gostaria de agradecer também ao Blog e a você Caroline, pois foi aqui que encontrei muitas explicações e estes dois médicos maravilhosos.
    Também queria ajudar nesta luta, pois sei como é difícil a dor física e principalmente emocional de quem tem endometriose. Pode contar comigo.
    Um beijo grande a todas!
    Que Deus traga conforto e bem estar para quem sofre com este mal.
    Lilian Garcia

    ResponderExcluir
  5. Lilian, querida!
    Que coisa boa ler que você está bem e que sua cirurgia correu muito bem, apesar de tudo que relatou, a perda da trompa, do pedaço do intestino. Fico feliz que vc também foi operada por esta equipe fantástica, liderada pelo dr. Hélio Sato e dr. Roberto Hiroshi Ieiri. Eu sou suspeita para falar deles. O dr. Roberto é médico da minha família há 20 anos, e realmente ambos são tudo isso que você falou e muito mais. Eu não puxo saco de ninguém. Aliás, eu odeio isso, e quem me conhece bem sabe disso. Eu só falo aquilo que realmente é verdade. Ainda bem que outras mulheres estão comprovando a humanidade desses médicos, pois acho que é isso que falta para a maioria deles, principalmente, quem trata uma endomulher. Não sei se você leu o artigo sobre a marcha mundial. Quero muito sua ajuda, estamos na fase de selecionar as voluntárias de cada estado. Entre em contato comigo no email: carolinesalazar7@gmail.com e coloque no título "Marcha Mundial". Beijo carinhoso!! Caroline Salazar

    ResponderExcluir
  6. Boa Noite!
    Eu sou do Rio Grande do Sul e fiz uma videolaparoscopia em agosto deste ano. Com o resultado da vídeo veio o diagnóstico da endometriose e também aderências dos órgãos do lado esquerdo do abdome,incluindo o intestino. Meu médico de início me falou que faríamos um tratamento durante 6 meses e caso não funcionasse faríamos a cirurgia para desfazer as aderências.Mas na última consulta ele não foi muito a favor da cirurgia, pois falou que as aderências podem voltar, então nada adiantaria. Comecei então um tratamento com allurene e procurando na internet mais informações sobre esse remédio achei o blog. Pra mim está sendo ótimo ler todas essas informações sobre a endometriose e ver que existem muitas mulheres com esse problema. Perguntei ao meu médico qual seria o nível da endometriose e ele me disse que pelas aderências poderíamos dizer que é bastante avançado, mas ele disse que encontra-se no nível moderado. Com isso, não poderia mais engravidar, apenas pela fertilização. Foi uma notícia horrível para mim, pois ainda não tenho filhos e há uns 7 anos atrás tive uma gravidez molar, onde também fiquei bastante abalada. Após essa gravidez, não consegui mais engravidar. Então ler todas essas informações pelo blog está sendo de grande ajuda, apesar de estar um pouco assustada com tudo isso, pois não imaginava que essa endometriose fosse tão cruel com uma mulher. Tenho fé de que um dia ainda eu consiga engravidar, mas confesso que desde o diagnóstico não faço mais planos com filhos, pois a gravidez, sem fertilização, seria por um milagre de Deus. Sei que pra Deus nada é impossível, mas meu lema agora é apenas viver... sem muitos planos. Confesso que estou numa fase de desânimo, acho que ainda não consegui degustar todas essas informações ainda, mas é uma luta constante. Sei que vou conseguir...

    ResponderExcluir
  7. Olá pessoal...
    bem, na verdade ainda não sei o que tenho, a única coisa que sei é que comecei a sentir uma dor pélvica no dia 13/10/2013 e tem exatamente 5 meses que não sei o que é acordar sem dor... fiquei internada por 10 dias, fizeram todos os exames "possíveis" e nada diagnosticaram (RM pelve, tomografia, ultrassom transvaginal com dopller, exame de sangue e de urina) sai do hospital da mesma forma que entrei, com dor e sem diagnóstico, tomando remédios fortes para aliviar a dor, anti inflamatórios não resolviam, enfim, sai de lá e fui procurar várias outras especialidades médicas (ortopedista, gineco, endocrino e gastro) bem a história é longa. Ortopedista já passei em 3, fiz RM do quadril no qual constatou artrose do quadril, o primeiro médico queria operar "ontem", o 2º médico disse que eu tinha artrose e que não precisa operar, fui atrás de uma 3ª opinião, sai de lá curada, rsrs, o médico disse que eu não tinha nada que estava escrito no exame, pasmem, isso mesmo.... enfim sai de lá arrasada. Continuei minha luta, fui em 2 ginecologistas, o 1º disse que mulher da minha idade não tem endometriose - 47 anos e que podia ser uma colite, me deu um calmante fraquinho para acabar com minha ansiedade, não tomei. Procurei o gastro, fiz colonoscopia, nada. ai resolvi ir em outro gineco, enfim, mostrei a ela que um dos exames tinha dado uma "formação de aderência", NINGUÉM TINHA VISTO!!!!, Coleciono exames, ai ela me pediu vários exames contagem hormonal, CA 125 e Ultrassom transvaginal com preparo intestinal) os exames de sangue já fiz, o CA 125 deu alterado 35,9, o transvaginal ainda não fiz, só no fim do mês. A dor é tanta, cada dia acordo de um jeito, Deus tem me levantado todos os dias, as vezes acordo com a sensação que estou bem, mas o dia vai passando e a dor volta, comecei o pilates, o que tem me ajudado, fisicamente e mentalmente... É isso, qdo tiver os resultados volto pra contar... Não está fácil... mas vamos na fé. abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sandra, meu nome Michele e tenho passado as mesmas coisas que vc as pessoas estão dizendo que psicoloico;mais eu sei que não que estou consciente e com dor moderada a leve mais diária, todos os dias acho que vou acordar melhor e nada, estou ficando cada vez mais aflita ,tenho um bebe de 7 meses, e tenho medo que algo grave me aconteça e eu não possa cria-lá, se puder entrar em contato comigo meu e-mail e michelemachadocanuto@hotmail.com.Obrigada

      Excluir
    2. O que deu seus exames...tenho dorestbem

      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    4. Ooi. Qual exame que fez que deu aderência?

      Excluir
    5. Oi. Então passo por esse caso tbm. Já fiz vários exames, e não consta nada. A médica falou que era aderencia. Mais queria saber que exame que vc fez que diagnósticou aderência.

      Eu procuro todos os dias na internet casos de aderência pélvica pra ver se é igual a dor que sinto. E achei um vídeo onde uma especialista fala sobre aderência e sobre fibrose, fiz uma pergunta a ela pelo YouTube, e ela me diz que poderia ser sim, devido a história que falei, e me diz tbm que tem uma técnica que se chama crochetagem um tipo de massagem com um gancho, estou procurando saber sobre isso se funciona mesmo. Caso se interessar procura na internet sobre essa técnica.

      Excluir
    6. Oi Tania, você conseguiu alguma melhora?

      Excluir
  8. Ola,meu nome é Rosangela. Ha mais ou menos uns 4 anos venho com essa dor...Menstruei aos 11 anos,sempre tive muitas cólicas, todo mundo dizia que quando tivesse filho passava, so tive filho aos 32 anos,e nada de passar. Hoje estou sentindo uma dor no reto (um grande peso) ,ha uns 3 meses venho fazendo exames para tentar descobrir o que é (ja fiz colonoscopia e a ultra com preparo do intestino),deu aderência. Estão suspeitando de endometriose, querem que eu faça uma videolaparoscopia, não estou querendo fazer,pois sei que essa doença não tem cura.

    ResponderExcluir
  9. Bom dia gostaria de saber que tipo de enxame faco pra confirmar ,pois o medico já falou que to com muitas aderências,porfavor mim ajude

    ResponderExcluir
  10. Olá, meu nome é Daniela tenho 22 anos. Minha primeira menstruação foi com 12 anos e nunca tive cólicas só uma pequena dor na coxa. Comecei usar o anticoncepcional com 15 anos (Belara) , ao completar 21 anos comecei sentir umas cólicas mais fortes, com dores diárias, dores durante a relação sexual com reflexo retal. As dores diárias ficavam mais do lado direito na região pélvica sempre achei que poderia ser apendicite, mas não. Com o passar do tempo conheci minha manicure e ela sempre conversava comigo sobre a Endometriose que ela tem, com as dores que ela tinha fui assimilando as minhas mas ficava com medo de ir ao Ginecologista para diagnosticar pois as dores dela era igual a minha. Enfim fui a minha Ginecologista expliquei pra ela tudo que estava sentindo então ela resolveu me examinar no consultório, quando ela fez o toque eu quase morri de tanta dor então ela me pediu para fazer um US Endovaginal. Marquei com um médico especialista que ver endometriose pelo US mas com o preparo intestinal para obter um exame de qualidade. O resultado do US foi (Foco compatível com endometriose no ligamento útero sacro esquerdo - novembro de 2014) chorei muito. As dores foi piorando estava indo no Pronto Atendimento pelo menos umas 4 vezes no mês com dores fortes que me impossibilitava de fazer minhas atividades diárias. Procurei minha manicure (Cris) ela me indicou o médico que fez a cirurgia dela, no dia 30/01/2015 foi minha primeira consulta com e nessa consulta ele já me deu a guia para fazer a Videolaparoscopia dentro de uma mês. Marcou a cirurgia para dia 11/03/2015, foi tudo muito ótimo. Passou um mês tive uma dor insuportável que mais uma vez fui para o Pronto Atendimento e toda que ia ao banheiro fazer xixi logo quando eu acordava sentia muita dor. Liguei para o médico que me operou na hora ele me pediu para fazer US Endovaginal, resultado: (23/04/2015 Ovário esquerdo com baixa mobilidade aparentemente aderido a região fúndica do útero e espessamento e infiltração compatível com foco de endometriose) mais uma vez chorei muito. Minha próxima consulta é dia 08/05/2015 para definir o que será feito.
    Obrigada por ter esse espaço que possamos nos desabafar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniela qual foi seu diagnóstico após sua consulta de 08/05/2015?

      Excluir
  11. Oi Carol, qual médico que voce recomenda em ES? e onde ele atende?
    Sou de Marabá no Pará e aqui o povo não sabe nada de endometriose. Eu tenho, mas aqui não tem médicos especialista pra tratar. Estou indo dia 12/12/15 pra ES e gostaria de fazer uma consulta com ele. Beijinhos aguardo retorno. raquelldaudt@gmail.com

    ResponderExcluir
  12. Boa tarde meninas....estou aqui para pedir uma orientação....pois pelo que percebi passo por uma situação semelhante...sinto dores difusas no abdomem....e ninguém define o que é...estou indo a clinica da dor....mas na minha ressonancia deu o seguinte resultado,,,(observa-se intima relação da cúpula vaginal com porção do sigmóide e ovário esquerdo)....ressaltando que em 2009 fiz histerectomia com retirada de ovário direito...vivo em emergencias médicas tomando injeções na veia...alguém aqui conhece um especialista em endometriose no RJ que atenda Unimed> Desde já agradeço

    ResponderExcluir
  13. Ola Caroline, tudo joia?
    Estou em um dilema ultimamente. Ja fazem 2 anos que fiz minha cirurgia de endometriose, a minha era profunda e tinha em varios locais. Fiz um mapeamento antes e depois para verificar em que pontos tinha e depois para garantir que havia sido removido. Agora apos esse tempo, quase tres anos voltei a sentir dores, e tem uma que me acompanha sempre, pois todo mes quando ovulo sinto fortes dores do lado direito (obs. meu ovario esquerdo foi removido na cirurgia). Todo mes é sempre assim, imagino que isso significa que possivelmente tenho pontos de aderencia do lado direito, proximo ao ovario ou nele especificamente. Como ja faz um tempo que estou tentando engravidar e nao consigo, estamos pensando em partir para a reproduçao assistida, fertilizacao. Mas estou receosa, pelo exame que fiz do CA125 e o Fan, com relacao ao nucleo deu positivo(1;160). Isso indicaria que de fato minha endometriose esta ativa novamente. Ele me indicou fazer outra cirurgia de videolaparoscopia, mas nao estou disposta a fazer, entao a alternativa que ele me deu é tomar uma injeccao lipidica que matariam as celulas NK(NATURAL KILLER) para em seguida tentar o procedimento. Voce já ouviu falar disso? Dessa injecção? Desse tipo de tratamento? Sera que esses pontos seriam um fator limitador no processo, porque é tudo tao caro nesses tratamentos que fico preocupada de nao dar certo!!!Abs, Sandra

    ResponderExcluir
  14. Parabéns Carol pelo seu blog. Ele é muito útil e completo nas informações interações e sua disposição para conversar com as leitoras é incrível. Vivo numa condição estranha. Sempre com dores, já passei por diversos médicos e fiz duas laparoscopia. Sempre encontram aderências em processo inflamatório. Dessa vez, encontraram um cisto seroso paratubário. Entretanto a análise patológica não confirma endometriose. A primeira cirurgia fiz com o Dr. Carlos Lino em Salvador e a última fazendo 17 dias, fiz com o Dr. Willian Kondo em Curitiba. Ambos muito bons, entretanto, não tenho diagnóstico definido. Estou fazendo uso do Allurene. Um forte Abraço! Muita paz para você e que Deus te abençoe. Rozane.

    ResponderExcluir
  15. Meu nome é Suely,estou a mais 3 anos sofrendo com essas dores,a principio era uma dor leve com o passar di tempo só aumenta,é tanta dor no lado esquerdo que chega a prender minhas pernas,já fiz vários exames e nada nao sei mais o que fazer as dores não passam.Na ultima ginecologista que fui ela simplesmente disse que minhas dores são psicológicas que deveria curtir a vida ao invés de ficar com essa Neura como ela disse de.Resoirei fundo e disse doutora nai iria gastar dinheiro sem estar sentido essas fortes dores se vim aqui é porque esperava uma resposta ou um diagnosticado a respeito do que tenho.Meu Deus como é difícil encontrar um médico que entenda o que estamos sentindo

    ResponderExcluir
  16. Pessoal como é bom poder compartilhar a dor e ansiedade que tenho sentido.
    Fui diagnosticada com adenomiose no útero , juntamente com o um quadro de sangramento intenso no período menstrual, anemia e muito mal estar.
    O medico que me acompanhava sugeriu pela minha idade 41 anos algumas alternativas, mas o que ele aconselhava mesmo era a retirada do utero atraves da cirurgia. Passei pelo procedimento, depois de dois meses apos a cirugia um novo ultrasson apontou cistos em um dos ovários, quatro meses depois cistos nos dois ovários, somado a uma dor abdominal de cólica como se fosse menstrual e o medico disse que o cisto não doí, para complicar agora estou com uma dor muito intensa proximo onde ficcou o dreno da cirurgia, uma dor que queima, arde, doi muito qdo pega peso, movimento bruscos e ate se mexer na cama, aii.
    Gente e conversando com o medico pq estamos investigando as dores com outros exames, ele disse que se for aderencia eu posso me acostumar a viver com a dor pq nem com outra cirurgia nao tem sucesso garantido. Aguem tem alguma experiencia assim para compartilhar que fez cirurgia e deu certo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Fabiana, você conseguiu identificar a causa de suas dores?

      Excluir
  17. Sabrina Ortolani Campanini22 de fevereiro de 2017 12:20

    Olá Carol! Parabéns pelo seu blog.
    Tem muitas informações que as vezes nem nossos médicos conseguem passar tudo em uma unica consulta.
    Meu nome é Sabrina e tenho 27 anos. Sou casada há 2 anos e venho sofrendo por conta da endometriose por um bom tempo. Mas todos esses anos de cólicas terríveis e dor/incomodo durante a relação, nunca foi diagnosticado endometriose. Na verdade descobri em 2015 através de um ultrassom transv. Porém a minha médica na época disse que o resultado era normal e que estava aquele diagnóstico por eu ter feito perto do período menstrual, como no resultado não estava nada conclusivo, somente um questionamento acabei acreditando nela e comecei a tomar ácido fólico para tentar engravidar e parei com o anticoncepcional. Depois de um ano da consulta voltei para a academia e comecei a praticar corrida na rua, comecei a sentir uma fortíssima dor na bacia e fui ao ortopedista acreditando ser por conta do impacto da corrida. Todos os exames foram normais e resolvi ir na ginecologista pois ja tinha dado o tempo. Fiz novamente o ultrassom transv. e na sala a pró´ria médica que fez o exame me deu o diagnóstico de endometriose e dois cisto hemorrágicos enormes (um em cada ovário, sendo o maior no direito). Fui na minha médica,ou melhor, não consegui ir pois ela desmarcou a consulta faltando 15 minutos e comecei a discutir com ela por telefone. Ela disse que eu teria que aguentar a dor e tomar anticoncepcional para o resto da vida. Procurei no mesmo instante outro médico que me atendeu de imediato, e me explicou detalhadamente o meu quadro clínico. Endometriose severa, com endometriomas nos ovários, e a endometriose pegou parte do meu intestino também. Isso tudo aconteceu entre novembro e dezembro 2016. Hoje estou correndo atras dos meus exames para fazer a cirurgia, pois comecei a fazer o tratamento clinico com dienogeste, os cistos diminuíram,porém a endometriose aumentou atingindo uma parte maior do intestino. No ultimo sábado tive uma complicação pois o cisto ovariano se rompeu (roto). Essa é a minha história (que ainda não terminou rsrs) o que peço a cada uma das leitoras é que procure uma segunda opinião médica, não façam como eu de acreditar cegamente no seu médico.

    ResponderExcluir
  18. Olá,
    Também demorei para descobrir como muitas de vocês.
    Por muitos anos sofri com a cólica menstrual (todos os geo que fui diziam ser normal) a maioria das vezes tinha que tomar injeção na veia para melhorar a dor, fora o fluxo que era terrível.
    Bom fui pulando de galho em galho e sempre ouvindo "todo mundo tem cólica, é normal", como se eu estivesse exagerando.
    Até que fui em uma geo que sem exame nenhum, somente exame clínico disse que eu tinha endometriose e receitou allurene, tomei por 6 meses seguidos mas continuava sentindo dores.
    Procurei outra geo que pediu uma ressonância e quando peguei o resultado lá estava ela "endometriose profunda" já estava comprometendo o reto, ovários, bexiga, enfim a coisa estava feia.
    Meu cea 125, tipo o normal era 30 o meu estava 110.
    Fiz então a videolaparoscopia não precisei tirar os ovários mas um deles ficou do tamanho de um ovário de criança, a médica disse que estava com muitas aderências, que meu útero estava aderido na bexiga, nos ovários... Que teria congelamento de pelve caso não tivesse procurado ajuda. Faz 2 anos que fiz e tomo remédio continuo, mas as dores não melhoraram 100%,claro que hoje tenho qualidade de vida, mas sempre sinto dores.

    ResponderExcluir


  19. 5 anos atrás, eu tinha verrugas, fui tratada com um líquido aplicado às verrugas que continuaram a crescer e espalhar ... Os próximos 2 médicos fizeram uma cirurgia a laser para removê-los. 1 ano após a cirurgia, eles voltaram para perto de onde os primeiros eram ... então eu finalmente disse que era hpv. Eu tive isso por muito tempo, eu contrai-lo do meu namorado enganado e descobri que ele também estava infectado. E acabo com o relacionamento entre nós. As verrugas eram tão embaraçosas porque começaram a espalhar por todo o meu corpo. Eu tenho lidado com isso há muito tempo, o último tratamento que tomei foi cerca de 2 anos atrás, apliquei tratamento natural de prophetekpen@gmail.com, uma semana depois de aplicar o tratamento, todas as verrugas já tinham desaparecido. Agora são 2 anos e alguns meses eu não tenho verruga única nem nenhum sintoma de hpv. Uau "" é ótimo, o profeta ekpen finalmente me curou. Ele também é especializado na cura do seguinte: câncer, HIV, baixa contagem de espermatozóides, esterilidade, Hpv, herpes.
    Entre em contato com ele agora em (prophetekpen@gmail.com), você também pode whatsapp
    Ele no +2348105238925

    ResponderExcluir