segunda-feira, 19 de maio de 2014

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O MÉDICO E CIENTISTA DOUTOR CHARLES KOH!!


Eu e o simpático doutor Charles Koh

Após a entrevista exclusiva com o cientista americano o doutor David Redwine, (acesse a coluna do cientista aqui), o A Endometriose e Eu traz mais uma entrevista superexclusiva com outro expoente da endometriose mundial, o médico e cientista doutor Charles Koh. Há mais de 40 anos na área, doutor Koh é um cirurgião premiado e pioneiro em desenvolver algumas técnicas cirúrgicas de laparoscopia para endometriose avançada, criou o chamado "Sistema Koh para a histerectomia total por laparoscopia", e técnicas de microcirurgias para reparar as trompas, retirar miomas. Idealizou também precisos aparelhos para a realização perfeita dessas técnicas, em especial, os para a realização da microcirurgia laparoscópica. É pioneiro também em desenvolver suturas laparoscópicas, e também, é conhecido por contribuir na formação de novos cirurgiões. 


Eu e o doutor Charles Koh no Hotel Tivoli
Em sua passagem ao Brasil, como um dos convidados internacionais da  1ª Jornada Internacional de Anatomia e Tratamento Cirúrgico para Endometriose, realizada no Hotel Tivoli, entre os dias 24 a 27 de abril, o simpático doutor Koh conta sua trajetória, seus adventos na área, como conheceu o pioneirismo do doutor Redwine, e, assim como Redwine (quem muito o ensinou e o inspirou), doutor Koh disse que o futuro da endometriose está no Brasil. Ele é diretor do Instituto Milwaukee de Cirurgia Minimamente Invasiva e Centro Especializado em Medicina Reprodutiva. Doutor Koh e seu sócio foram os primeiros médicos do mundo a realizar a anastomose tubária microcirúrgica laparoscópica, no início da década de 1990, e ele deve se aposentar dos consultórios em um ou dois anos.



O doutor Alysson Zanatta, da Pelvi 
Uroginecologia e Cirurgia Ginecológica, 
de Brasília, também  palestrante, 
e o doutor Charles Koh
O doutor David Redwine é ladeado
pelo doutores Alysson Zanatta e Ricardo
Pereira, coordenador da jornada 
















Agradeço, mais uma vez, ao doutor Ricardo Pereira, coordenador da jornada e também do Centro de Endometriose do Hospital e Maternidade Santa Joana, o responsável por promover este brilhante encontro científico, de mestres. E, em especial, ao doutor Alysson Zanatta pelo carinho e presteza. Com certeza, o conhecimento que adquiri nestes quatro dias serão de grande importância em minha bagagem como uma "educadora da endometriose", como disse o doutor Koh. Confesso que fiquei emocionada! Um beijo carinhoso!! Caroline Salazar 

Entrevista exclusiva concedida a Caroline Salazar
Tradução: Alexandre Vaz

A Endo e Eu : Como começou a sua história com a endometriose?

Dr. Koh: Quando comecei a exercer a profissão, no final da década de 1970, a prática era a cirurgia aberta (laparotomia). Os médicos achavam que se a mulher tivesse sofrido o suficiente, seria, então, removidos o útero e os ovários e o problema da endometrioses estaria resolvido. Se a dor não passasse, então, a mulher teria de ser tratada por um psiquiatra. Esse era o estilo em que a medicina era exercida. Minha formação foi em Singapura e em Londres, e depois fui para os Estados Unidos em 1978 ou 1979. Em meados da década de 1980 começou a ser usada a laparoscopia exploratória para tratamento. Mas, a grande revolução, eu tenho que atribuir ao doutor Redwine. Foi ele que falou que deveríamos remover a doença, e não o útero. Eu observei o que ele fazia, quando soube dele quis conhecê-lo, fui a outros lugares, e, a partir daí, comecei a usar a mesma técnica e também a inovar. E era muito gratificante assistir à cura. Quando a paciente acordava da anestesia e falava que a dor tinha sumido… Era fantástico e isso estava acontecendo com frequência. Nem todas as mulheres reportavam a mesma coisa, porque era outro tipo de dor, outro tipo de tratamento, mas cedo se tornou evidente que o tratamento da doença é cuidar da doença e não remover o órgão em que ela se encontra.

A Endo e Eu: Então, o senhor remove todos os focos, e as mulheres ficam curadas? O senhor não usa nenhum tipo de tratamento após a cirurgia?

Dr. Koh: Não, eu não uso nenhum tipo de remédio. Talvez se elas não estiverem preparadas para ter filhos eu posso perscrever a pílula anticoncepcional, mas apenas para esse efeito (contraceptivo), e não para tratar endometriose. Na época pensava-se que a pílula prevenia a recorrência da doença, mas algum tempo depois, eu mesmo já não acreditava mais nisso, e por esse motivo passei a não receitar nada.

A Endo e Eu: Existe alguma forma de a mulher prevenir a endometriose?

Dr. Koh: Sabemos que tem a ver com o sistema imunológico. A teoria é que os seus corpos são capazes de eliminar as formas mais ligeiras da endometriose. Isso é justificado porque alguns médicos acompanham as suas pacientes a intervalos regulares de 6 meses, e até cerca de 30% dos focos podem desaparecer. Não é comum acontecer, mas sabemos que até para casos de endometriose mais graves, o sistema imunitário é importante. Um dos químicos que parece favorecer a endometriose é a dioxina,usada em fertilizantes. Na Bélgica é largamente usada e os índices de endometriose são muito elevados.  No geral, o conselho não é específico. Mantenha-se saudável e melhore o seu sistema imunológico: não fume, evite a poluição, mantenha uma alimetação saudável, faça atividades físicas…

A Endo e Eu: O senhor partilha da opinião do doutor Redwine de que a endometriose não provém da menstruação? A maioria dos especialistas ainda hoje apontam a menstruação retrógrada como a causa da endometriose. Qual a sua opinião sobre isso?

Dr. Koh: Sim, concordo. Baseado em uma observação: após a remoção completa de todos os focos, a doença não volta na mesma área. Mas pode surgir em outra área. Isso significa que tem algo mais do que apenas a menstruação. Se existe alguma participação da menstruação, é o da estimulação de algo que já existe, e que se tornará em endometriose. A menstruação afeta tanto a área excisada como as novas ocorrências de focos em outras áreas. Se eliminarmos a menstruação, a falta do estímulo criado por ela não faz com que a doença desapareça. Por isso, pode existir uma participação da menstruação, mas isso já é diferente  do que a teoria original (a de Sampson) afirma, em que a menstruação é sempre a causa e que para parar a doença basta remover o útero. Nós temos inumeros casos de mulheres que fizeram histerectomia e continuam sofrendo com a doença. No momento, a interpretação é que a doença é que nem erva daninha, precisa tirar uma a uma e na sua totalidade.

A Endo e Eu: Se a menstruação não causa a endometriose, então, por que temos mais dores durante este período, e por que as que têm endo no diafragma ou no pulmão, por exemplo, têm alguns dos sintomas só no período menstrual? Será por conta do estrogênio?

Dr. Koh: Na verdade todas as lesões são mais dolorosas durante o periodo mentrual. É essa a razão pela qual o útero dói durante a menstruação. Existem mulheres que têm na parede abdominal e a barriga incha. O que acontece, ao contrário da opinião do Dr. Redwine é o seguinte: Por que a mulher menstrua? A menstruação surge devido a alterações dos níveis hormonais. O estrôgeneo e a progesterona caem e o tecido do endométrio escama, seguido de sangramento. Mas com a endometriose, existe sangramento no interior da lesão. Por isso que é doloroso.

A Endo e Eu: A mídia e a maioria dos médicos falam da endometriose como sendo a doença da mulher moderna. Colocam a culpa na mulher por ela estar trabalhando for a de casa e adiando a maternidade. O que o senhor pensa sobre isso?

Dr. Koh: Eu acho que isso vem da forma como os médicos evoluem. Eles se tornaram a autoridade sobre o assunto, e quando não sabiam as respostas inventavam histórias. Esse “conhecimento” foi passado de geração em geração e essa figura autoritária ainda permeia os novos médicos porque o aprendiz se formou com o médico mais velho, que tinha essa atitude.
A grande diferença hoje é que as mulheres têm uma voz, seja na mídia tradicional, nas redes sociais ou nos blogs (como você, Caroline), e começam a questionar. Os médicos que não possuem as respostas e cabeça aberta são os que ficam muito defensivos. Aqueles que têm uma mentalidade mais aberta e estão dispostos a assumir que não dominam o assunto e não sabem como tratar, mas conhecem quem saiba, não terão uma atitude agressiva e nem colocarão a culpa nas mulheres.

A Endo e Eu: Em u ma de suas apresentações na jornada, o senhor falou que se não remover o endometrioma nunca vai saber se é maligno. Pode me falar da relação entre a endometriose e cancêr no ovário ou em outras areas do corpo?

Dr. Koh: Existe uma incidência crescente de um certo tipo de cancêr em mulheres com endometriose, designado por endocarcinoma. A sua presença pode ser nos intestinos ou nos ovários. No que respeita aos ovários, eu não diria que a endometriose leva ao cancêr, mas existe de fato uma incidência maior nesse grupo de mulheres. Se o médico observa uma lesão, ele deve removê-la. Isso também tem a ver com a qualidade do exame de imagem e do profissional que vai interpreter este exame. Cancêr e endometriose são ligeiramente diferentes no ultrassom. Por esse motivo, alguns médicos que são contra a cirurgia poderão achar que é endometriose e na verdade pode ser cancêr.

A Endo e Eu: Pode explicar quais são os tipos de focos que existem, as suas colorações e como os identificar corretamente?

Dr. Koh: Bom, a endometriose começa na superficie e é na superfície que o cirurgião vê quando opera. Por esse motivo é quase sempre possível identificar os focos. Quanto mais sabemos sobre o assunto, melhor a identificação do que por vezes é bem sutil. Por vezes parece apenas um aglomeramento de de vasos sanguíneos. Essa é a doença superficial. A doença profunda sempre tem um estigma. Ela se manifesta na superfície e o cirurgião vai indo cada vez mais fundo até limpar todo o foco. É muito raro a endometriose começar no interior de uma estrutura orgânica e não seja possível visualizá-la do exterior.

A Endo e Eu: E a cor? Tem que ver com o grau, a idade da lesão...

Dr. Koh: Sim. Nas jovens,  as lesões começam por ser translúcidas, elas não possuem coloração e não são muito grandes. Quando ela se torna mais prevalente, a cor muda para o vermelho, e depois, para o preto. A mulher mais velha tem mais lesões pretas que vermelhas, mas isso também depende de quão ativas essas lesões são. O sistema imunológico e a genética são fatores que influenciam a evolução dessas lesões. Para as mulheres mais jovens é preciso muita atenção. É nesse ponto que eu concordo com o doutor Redwine, tudo o que não pareça normal, deve ser considerado anômalo.

A Endo e Eu:  O senhor foi responsável por algumas invenções pioneiras na área da laparoscopia. Quais foram e como foi que chegou nessas pesquisas e intervenções?

Dr. Koh: No início, eu fazia microcirurgia para reparar trompas de falópio de mulheres que tinham feito esterelização. A forma de fazer isso é usando um microscópio e um corte. A ideia de fazer isso por laparoscopia me atraía muito, porque assim a paciente poderia voltar para casa no mesmo dia, em vez de ficar no hospital por 3 a 7 dias. No entanto, isso não era possível porque a sutura para unir a trompa é da dimensão de um cabelo. É muito pequena e, por isso, é necessário desenvolver instrumentos pequenos também. Esse foi o meu primeiro passo que consegui superar com êxito. Depois existem outras doenças em que a trompa está obstruída e precisa ser aberta, cirurgia de endometriose em que precisa reparar o ovário, e logo no início, achei fácil reparar tudo: bexiga, ureter, intestino, tudo. Isso foi o instrumento de microsutura. Obviamente que foi usado em outras coisas, quando é removido mioma, quando se faz uma histerectomia, é necessário fazer sutura. Acabei introduzindo uma versão maior, dessa vaze não para microcirurgia, mas para laparoscopia comum, e fico feliz de ver todo o mundo usando isso.

A Endo e Eu:  Qual o aparelho mais certeiro para poder fazer a excisão completa? Foi falado aqui que o laser não corta, apenas vaporiza...

Dr. Koh: O aparelho mais certeiro é a mão do médico, tem de saber fazer. E quando eu falo isso tem mais do que um significado. Existem várias formas de usar o mesmo aparelho ou técnica. Tem quem diga que a eletrocirurgia é bom, mas precisa saber como realizá-la. É que nem ter duas facas, uma afiada e outra sem gume. O bom cirurgião precisa manter a faca afiada. Quando se trata de eletrocirurgia, isso se consegue aumentando a potência, mas usando em impulsos curtos, nunca usar em contínuo. De forma análoga, com o laser e outras técnicas acontece a mesma coisa. Teoricamente, porque alguns lasers são muito finos, não causarão dano se usados com perícia, de contrário também terão os seus pontos negativos. Na minha opinião, a melhor ferramenta para o laser é uma faca bem afiada. Hoje em dia é possível fazer isso com qualquer coisa. Na eletrocirurgia podemos usar os eletrodos finos para fazer o corte de forma mais correta. Até agora não estou muito convencido a usar o laser. Já usei, é uma faca afiada conveniente, e eu asseguro de que a uso nas melhores condições, mas isso não é garantido se você (o médico) não souber como a usar.

A Endo e Eu:  Estima-se que são cerca de 6 milhões de portadoras no Brasil. O que o senhor recomenda ao governo brasileiro para ajudar a mudar essa estatística? A endometriose ainda não é reconhecida como doença social, de saúde pública, e é por isso que eu luto. Como deveria o governo agir em prol da saúde da mulher?

Dr. Koh:  Meu Deus, 6 milhões? Sei que alguns líderes de organizações de endometriose nos países europeus fizeram com que os parlamentos concordassem em classificar a endometriose como uma doença séria. Acho que depende de ativistas como você informar e educar o governo. Depende dos médicos que entendem a endometriose educar outros médicos. E também deve estar presente o poder disciplinar e regulador do governo. O governo deve falar para os médicos: “meus senhores, isso é endometriose. Essas são as suas características. Quando um de vós se deparar com um caso desses e não for capaz de resolver, encaminha para outro colega e não tenta fazer o que não sabe.” Definitivamente o que precisa acontecer é um esforço concertado de muitas frentes, e o governo pode ajudar.
  
A Endo e Eu:  E por que muitos médicos ainda falam que a gravidez e a menopausa curam a endometriose?  O que se pode fazer para tirar essa ignorância e melhorar?

Dr. Koh: Talvez no seu blog você possa cantar iss (risos). Experimente, tudo o resto falhou. Essa pergunta não é comum. Nos Estados Unidos, 90% dos ginecologistas são estúpidos. Além do trabalho que fazem, os ativistas deveriam ir também nas faculdades de medicina. Lá eles revêm constantemente os planos curriculares de atualização dos médicos, e é preciso que esse assunto passa a fazer parte do plano curricular. Os médicos são geralmente imunes, o que fazem não tem consequências. Se a paciente está viva, teve os ovários e o útero removidos, talvez, erradamente, isso não terá consequências para o médico. É preciso que tratamentos errados passem a ter consequências.

A Endo e Eu:  E a hereditariedade? A filha de uma portadora tem mais chance de ela mesma ser portadora?

Dr. Koh: Existe uma incidência ligeiramente maior, mas não muito maior. Acho que uns 7%. Por vezes,eu fico preocupado que possa existir uma relação entre a doença e uma pré-disposição psicológica. Eu vejo muitas jovens preocupadas e suas mães também. Ambas têm a doença mas também têm outros problemas. Eu não faria um alarmismo sobre essa questão. Existem mais probabilidades nesse caso, mas não quero que os médicos fiquem paranoicos.

A Endo e Eu:  O senhor treina cirurgiões. Qual é o segredo, como foi que começou e qual é o legado que gostaria de deixar?

Dr. Koh: Como eu comecei... Em primeiro lugar é preciso acreditar em uma filosofia radicalmente diferente. Nisso eu devo reconhecer o mérito do doutor Redwine pelo seu pensamento muito original e que faz muito sentido. Depois eu observei outros cirurgiões, vendo onde eles eram bons e onde não estavam se saindo tão bem, e eu tentava fazer melhor. Foi desse jeito que me desenvolvi e, uma grande lacuna, era que os cirurgiões não conseguiam suturar laparoscopicamente com muito sucesso. Isso se tornou um enorme desafio para mim. Mais tarde, o desafio passou a ser ensinar outros a fazer igual. Hoje eu consigo ensinar médicos a suturar em 2 horas. Claro que depois precisa praticar, mas eu sei que isso é verdade porque tenho uma estatística que comprova. Por isso, eu acho que meu legado será ser lembrado como alguém capaz de fazer sutura laparoscópica e ensinar.

A Endo e Eu: Para a mulher que é assintomática, e que tem pouquíssimos focos, aconselha a fazer excisão complete dos focos, ou enquanto não tiver sintomas, ou alguma progressão da doença, deixar assim sem mexer?

Dr. Koh: Bom, com poucas lesões a mulher não será diagnosticada a não ser que seja feita uma laparoscopia. Para justificar a laparoscopia será por a mulher não ser fértil, ou por estar com dor. De outra forma não é feita a laparoscopia. Aqui no Brasil vocês têm o ultrasom, uma ferramenta desenvolvida a um grau de precisão acima do que existe no resto do mundo. No entanto, ele diagnostica apenas a endometriose profunda, não as lesões pequenas e superficiais. Mas mesmo que haja o diagnostico de poucos focos ou mais profundos, numa paciente assintomática, não acho necessário fazer excisão nesses casos.

A Endo e Eu: O que o senhor achou dessa jornada, o que vai levar consigo para os Estados Unidos?

Dr. Koh:  Essa jornada foi cheia de energia. Demonstrou o que se faz em cirurgia de endometriose ao mais alto nível. Não apenas a um nível elevado, mas ao mais elevado nível.
Estou muito impressionado e é inspirador ver até que ponto se conseguem esticar os limites da cirurgia de endometriose através do laparoscopo, com benefício para a mulher e sem complicações. Considero que foi uma reunião maravilhosa, muitos parabéns à organização. Como balanço final, eu vi que o futuro da cirurgia da endometriose está aqui (no Brasil).

A Endo e Eu: Qual o conselho que o senhor dá para os seus alunos se tornarem bons cirurgiões de endometriose?

Dr. Koh: Para começar devem ter um forte conhecimento médico, o que significa que precisam estudar bastante. Não existem atalhos. Não se deve fazer algo apenas porque viu o outro médico fazendo. É necessário conhecer por completo a razão pela qual se executa um procedimento. Depois disso muita prática para aprender sutura e movimentação. Copiar o mestre até dominar a técnica, e por fim, melhorar o que aprendeu com ele.

18 comentários:

  1. Mais uma entrevista instigante, reveladora e desmistificadora sobre a endometriose, vejo que a microcirurgia é um caminho para o tratamento de milhões de mulheres portadores de endometriose neste mundo, e também o diagnóstico precoce e preciso ajuda mais ainda. Espero que a "profecia" do Dr. Charles Koh esteja certa, "...o futuro da cirurgia da endometriose está no Brasil...", só vou torcer e orar para que todas as mulheres do nosso Brasil tenham acesso a esses recursos da medicina. Parabéns pela entrevista!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Paulo, nessa vida dura que muita gente conhece, chega de pagar mico. Esse é o sentimento que todos nós temos. Nosso trabalho é nesse sentido, preparar o terreno para a mudança. Quem sabe outras pessoas se sentem inspiradas que nem você a dar um pouquinho, pois trabalho de formiguinha é assim mesmo. Um pouco de cada um, e o coletivo faz acontecer milagres.
      Abraço pra você cara, daqueles bem fortes vindo do outro lado do mar.

      Excluir
  2. Descobri no começo desse ano após uma laparoscopia que tenho endometriose grau IV estromal e glandular, fiz vários exames antes e nenhum deles indentificou nada eu parecia extremamente saudavel, a decisão pela laparoscopia foi por causa do exame de sangueque acusava uma possibilidade, das minha queixas de dores terríveis no período menstrual e de não conseguir engravidar há 2 anos de tentativa, eu sempre tive dores terríveis desde minha primeira menstruaçãoe sempre os médicos disseram que era normal, graças a Deus encontrei uma médica coerente que me disse que dor nunca é normal e que me encaminhou para um especialista no assunto.Após 2 meses de cirurgia engravidei naturalmente.Essa entrevista desmistifica tanta coisa, gostaria que todo ginecologista pudesse lê-la e refletir, espero que o Dr.Charles Koh esteja realmente certo e que o futuro da cirurgia da endometriose pelo menos evolua bastante aqui no Brasil. Adorei o blog e é claro que vou seguir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria, Deus tem um jeito de colocar no nosso caminho a pessoa certa na hora H, nos entregar as bençãos e as provações para nos preparar para aquela que é a missão de cada um. Parabéns pela sua conquista. Agradeça pra Ele quando sair na rua e sorria pras pessoas. Leve o Sol da esperança a quem precisar. Alegria e amor para todos.
      Eu so tenho que agradecer por todos os meus amigos brasileiros que me ensinaram a ver as coisas de um jeito diferente.
      Possa eu ter luz nos meus olhos para um dia conhecer esse país tão rico de beleza.

      Excluir
  3. Que linda entrevista Caroline, parabéns! O Dr. é realmente excepcional. Eu agradeço de coração a você e ao Alexandre o o endomarido, que me orientaramsobre os tipos de cirurgia, e os médicos indicados. Fiz com DR Willian Kondo, e minha recuperação está excelente. Obrigado de coração, mil beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Angela. Começo por agradecer as suas palavras. É bom de vez em quando a gente receber informação sobre o resultado do nosso trabalho. Histórias como a sua são a nossa meta. Nossa utopia é que cada mulher tenha sua saúde e felicidade restabelecidas. Se vai sonhar, sonhe em grande né?
      Lhe desejo que tenha uma vida boa de hoje em diante, que a invasão da endo no seu corpo seja substituída pela invasão do amor em seu coração.
      Aposto que o Sol passou a ser diferente depois que a dor passou.
      Faça o favor de ser feliz.

      Excluir
    2. Aha que lindo, obrigado vocês pelas suas historias de superação, é por causa delas que a gente também decide lutar, para que todas as mulheres tenham acesso a tratamento correto. Aqui na cidade não tem. Quase ninguém sabe tratar essa doença, é uma verdadeira sucessão de tentativas e erros. Eu queria ser mais útil, queria poder ajudar mais, e fico triste pois não posso ir mais longe. De fato, o sol começou a ser mais belo pra mim, e o amor voltou a invadir minha vida, principalmente pelo meu amado, que também tem sido um endomarido leal, fiel, e paciente. Adoro vocês demais, o blog é nota mil, Deus abençoe todos que se empenham neste belo trabalho!!!

      Excluir
    3. Pois lhe digo, que se estiver na sua vontade contribuir seja de que forma for, Deus lhe mostrará o caminho certo. Se mantenha atenta, existem projetos surgindo aí, quem sabe você não pode até dar uma forcinha?
      Vamos que vamos Angela, um dia de cada vez

      Excluir
  4. Otima entrevista bem esclarecedora, principalmente na questão dos bons profissionais saberem detectar a doença e caso não terem conhecimento encaminhar para os seus colegas, como também a questãoda participação do governo, que como podemos ver não tem a preocupação em ter o controle desta doença...pois 6 milhoes é muitas mulheres que necessitam do respaldo das políticas públicas de saúde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Silvana. Controle sobre uma doença dessas não dá, mas politicas ativas implementadas com seriedade e gestão de recursos para uma resposta ótima, isso está ao alcance de qualquer governo.
      Os resultados serão aqueles que se conseguirem alcançar, mas as pessoas precisam sentir que o dinheiro dos seus impostos está sendo aplicado nas suas necessidades.
      Possam os políticos ser iluminados, suas consciências tocadas para que se desenvolva um trabalho cada vez mais intensivo na proteção dos mais desfavorecidos. Na hora de votar, cidadão dos estados mais pobres vale tanto como cidadão de São Paulo ou do Rio. Será que é só nessa hora?

      Excluir
  5. Ótima entrevista, muito clara e esclarecedora. Eu sofri muito com a endo passando por anos sem descobrir o que era. Esse ano no segundo dia do ano eu operei apesar do meu médico que me operou ser muito atencioso e por ter descoberto a endo o que vários outros não conseguiram. Ele ainda tem um método muito conservador em fretar da endo, afirma que meus problemas com meu esposo são coisas da minha cabeça e nada a ver com a endo. Me trata com antidepressivos. Meu esposo tem na cabeça que assim que conseguir engravidar a melhor solução é uma esterectomia total para acabar com nossos problemas de uma vez. Fico muito assustada com isso. Estou me sentindo sem assistência e percebo uma deficiência aqui no Rio em médicos especializados. Alexandre, consegue me indicar alguém aqui no Rio, para dar continuidade no meu tratamento?
    Lely

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo seu comentário Lely. Talvez as pessoas não se apercebam facilmente, mas eu sou Português e nem nunca estive no Brasil. Tudo o que faço é do outro lado do Oceano. Não seria ético recomendar médico algum por dois motivos: Um, eu não conheço o trabalho de nenhumdaí, talvez a reputação de alguns deles, mas fama não é igual a resultado como você facilmente percebe; e Dois, a pessoa mais indicada para lhe dar uma informação nesse sentido é mesmo a Caroline. Ela que lida com alguns médicos cara a cara, ela sabe melhor do que eu nessa área.

      Sobre seu médico e os comentários dele, ele sim tem coisa na cabeça. Talvez um grande vácuo. Eu gostaria de ver médicos desses sofrendo metade do que passam as portadoras só por uns 2 ou 3 dias. Queria ver eles falando que é coisa da cabeça das mulheres. Incrível tamanha falta de respeito pelas pessoas que eles estudaram para servir.

      Os antidepressivos não estão incorretos. A taxa de depressão entre as portadoras deve estar bem próximo dos 100%. Mas isso só adia o problema, vai mantendo você com as emoções adormecidas. É bom pra sobreviver enquanto um tratamento real é realizado. De que serve afinal operar a mulher e remover os focos se ela acorda da cirurgia sem vontade de viver? Falta saber se é o antidepressivo mais adequado para o seu caso.

      Se tiver indicação para tomar pílula continuada, saiba que isso pode ajudar a controlar os sintomas mas não cura nada. A doença simplesmente vai progredindo mais silenciosa dentro de você, e um dia a cirurgia poderá ser inevitável. Não significa rejeitar a pílula anticoncepcional, mas pergunte quais as ações que serão feitas em seguida. Se o médico se mostrar ranzinza, fugir da pergunta ou qualquer outra coisa que não seja uma resposta informada olho no olho, levante da cadeira e saia. Você está no sitio errado. Não perca tempo e dinheiro com médico que não se importa com a sua saúde, está mais interessado na carteira da paciente e na manutenção do seu próprio estatuto.

      Seu marido tem uma expectativa legítima, ele deseja ver você parando de sofrer para voltar a ter a mulher que ama de sorriso aberto, feliz e livre. Qual o homem que não desejaria isso?
      Mas veja bem, uma histerectomia não significa que você fica livre da dor, ou da doença.

      Excluir
    2. O que é uma histerectomia? Trata-se da remoção de alguns ou todos os orgãos reprodutores femininos, com a cessação da função deles, pois não vão mais estar lá. Se os ovários forem removidos, você entrará em uma menopausa precoce, com todos os efeitos normais dessa menopausa.

      Ainda bem que você está assustada, isso mostra que está consciente do que se passa. Mas não se deixe tomar pelo medo. Fale com o seu marido, se apoiem nas informações que disponibilizamos aqui, ou em outros lugares também, não somos donos da razão. Fazemos o melhor possível dentro da nossa condição humana para trazer um sorriso a quem já esqueceu como é sorrir.

      O que a histerectomia garante é que você não mais terá endometriose nos orgãos removidos, porque não estão mais lá para os focos poderem "grudar".
      Mas se os restantes focos não forem removidos na totalidade, a dor provavelmente vai continuar. Você poderá necessitar de nova cirurgia no futuro. Isso não é para desanimar, eu acho que toda a portadora deve estar na posse de informação correta e completa, e cabe ao médico fornecê-la. Não temos ainda respostas milagrosas para essa doença. Buscamos as ultimas informações disponiveis, com o máximo de rigor para trazer para o blog e dar a conhecer às portadoras e restantes cidadãos. Porque não é apenas importante dar a conhecer à portadora o que ela tem, também é preciso mostrar para a sociedade o que está errado com a "fresca".

      Por isso eu passo tanta hora traduzindo textos para português do brasil. Tanto que já peguei um pouco o vosso jeito. Os contatos iniciados pela Caroline, e mais tarde também por mim com especialistas de outros países, vão nesse sentido. Saber em primeira mão o que está mais correto e recente acontecendo por aí.

      Essa luta é a nossa copa do mundo. E você não imagina a emoção que é quando a gente toma conhecimento de mais um caso que deu certo, mais um sorriso que renasceu. Cada vida é preciosa, lute bastante pela sua.

      Excluir
  6. Obrigada pela excelente e esclarecedora entrevista. Sofrer de endometriose, às vezes, é sofrer em dobro, porque para as outras pessoas a dor durante o periodo menstrual é normal, ou pior, é "frescura". Não sabem que essa dor vai nos afetando tanto que nos leva à depressão, especialmente quando passamos anos e anos tentando descobrir porque não podemos ser mães.
    Gostaria que todos os médicos fossem como o dr. Koh e como o Dr. Tobias Germano, médico que Deus colocou na minha vida para me ajudar a "reviver", em vários sentidos, com bem menos dores e com bem mais esperanças...
    Parabéns ao blog, que sigo e recomendo sempre.

    ResponderExcluir
  7. Parabéns Caroline pelas maravilhosas entrevistas , são esclarecedoras e motivadoras para todas nós portadoras. Estou novamente com muitas dores e aguardando o dia da minha terceira vídeo laparoscopia que será no dia 09 de junho. Meus exames não diagnosticaram endometriose profunda, mas aderências e adenomeniose. Estou tomando a quinta caixa do alurene, mas até agora não observei melhoras com relação as dores. Espero ficar melhor após a vídeo. Acompanho sempre o blog, estão todos de parabéns. Muito obrigada por ajudar as portadoras a identificarem uma luz para essa doença que maltrata tanto a todas nós.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Maria. Nessas entrevistas você pode identificar que muito do que é falado por aí é bem diferente do que esses médicos já com muitos anos e experiência defendem. O que desde o inicio me fascinou sobre o trabalho do Dr. Redwine é a forma aberta como ele mostra os dados que sustentam as opiniões dele. Quem procurar entender, encontrará tudo bem fundamentado. Milagre nem ele nem ninguém faz, a doença ainda é muito obscura. Mas eu pessoalmente acredito que só com um método crítico e lógico se pode avançar, deixando para trás todos esses anos em que um acha uma coisa, outro acha outra, e as portadoras e seus familiares sofrendo e pagando uma nota preta por tratamento e cirurgia, sem obter os resultados que espera.
      Anos após o Dr. Redwine pedir para um colega seu remover a doença e não os orgãos onde estavam os focos (pedido esse que causou muita admiração), ainda hoje muitos médicos são a favor da castração apesar de inúmeros dados que mostram que esse não é o caminho certo. Apenas em casos de comprometimento sério desses orgãos, causando problemas para a mulher ou para o feto, será lógio e humano fazer a histerectomia.
      Bom que podemos ajudar de alguma forma, mas o ideal é que cada mulher possa fazer o seu aprendizado sobre a doença, pelo menos para saber se quando chega em um médico, está em boas mãos ou não.
      Desejo as melhoras e preste sempre muita atenção para o seu corpo. Ele emite sinais que se a senhora der atenção, poderão evitar muitos problemas futuros.

      Excluir
  8. Eu queria era ter dinheiro para me tratar com esse medico. De cara ele falou meu problema : parede abdominal e a barriga incha. Meu medico se recusa a ver isso e, pasme, me mandou para um psiquiatra. Eu nao sei ate qdo teremos que aguentar medicos totalmente ignorantes. E o pior eh que sao tao cheios de si, falta tanta humildade! Veja como o Dr. Koh descreve como ele aprendeu, qta serinidade! Para atingir esse nivel, so sabendo muito e sendo humilde o suficiente para saber que ainda deve aprender. Parabens pela entrevista!

    ResponderExcluir
  9. Ola Fernanda. É bom que aos poucos a gente vai conseguindo passar para as portadoras que existem outras abordagens à doença. Aos poucos talvez consigamos que as portadoras percebam que informação é poder. Poder sobre as suas decisões, o corpo é seu, a vida é sua. Não é o médico que pode decidir por você. Para não ser passiva precisa saber mais sobre a doença e os métodos de tratamento. Porque o médico usa uma abordagem e não outra. Saber reconhecer quando o médico está sem soluções, coçando a cabeça sem saber o que fazer. Quem sabe você pode ajudar ele, mostrando onde está a informação sobre a doença que ele desconhece. Talvez assim consiga que ele reconheça a importância do seu caso e a encaminhe para um especialista de endometriose. O psiquiatra é um escape fácil para o seu médico. Como ele não quer dar o braço a torcer, não assume que o problema possa ser do lado dele e envia a paciente para um colega de uma área radicalmente diferente.
    Eu faria um pouco diferente. Encaminharia você para um psicólogo e um especialista de endometriose em simultâneo. E falo isso porque a endo exige muito das portadoras e dos familiares. Geralmente uma portadora tem depressão. Como não ter? A doença é terrivel, seus efeitos consomem a vida das pessoas. Então na minha ótica, um psicólogo pode ser uma boa abordagem. Se ele achar que precisa medicação, aí o psicólogo recomenda um psiquiatra pois esse pode medicar os pacientes e o psicólogo não. Mas vale a pena cuidar da cabeça da gente, estar em boa forma psicológica e emocional para quando consiga um tratamento bom para a endo, poder usufruir da sua vida em pleno.

    ResponderExcluir