domingo, 3 de março de 2013

"COM A PALAVRA, O ESPECIALISTA", DOUTOR HÉLIO SATO!!!

Na primeira “Com a Palavra, o Especialista”, do mês que celebra a conscientização mundial da endometriose, o doutor Hélio Sato esclarece dúvidas e medos que a maioria das portadoras tem. Como por exemplo, o uso dos “temidos” inibidores de hormônios, como por exemplo, o Zoladex, o Lupron, o Depo Provera, dentre outros. Em muitas endomulheres, em especial, para aquelas que têm endometriose em graus mais avançados, endometriose profunda, dentre outras, o tratamento com este tipo de medicamento é de extrema importância. Eu sei que muitas têm medo de tomá-lo por conta dos efeitos colaterais. Antes da minha primeira cirurgia, após o tratamento de um ano com anticoncepcional contínuo, no ambulatório de alga pélvica e endometriose da Unifesp, receitaram-meo Zoladex 10,8. Mesmo sem ter lido nada sobre o assunto, só o fato de induzir menopausa aos 31 anos, deixou-me muito assustada. Porém, para os efeitos colaterais, há a possibilidade de tomar diariamente um hormônio, que inibe e muito esses sintomas. E quando o assunto é à perda de massa óssea? Ela pode ser recuperada? A pergunta foi enviada pela nossa endoirmã Terezinha Cunha, de Sobral, no Ceará, mas vai elucidar a dúvida de muitas mulheres.

A outra pergunta vem do Rio de Janeiro, da Lívia (sem sobrenome). Ela descobriu há pouco tempo que tem endometriose e, como tem casos de câncer de útero na família, quer saber se por isso seria necessária a retirada do útero. Outra dúvida da Lívia é uma recorrente em muitas de nós: a endometriose pode virar câncer? O especialista explica abaixo, mas eu quero fazer meu parêntese nesta questão. Independente se a endo vira ou não câncer, eu quero dizer ela pode ser tão perigosa quanto um tumor maligno. Infelizmente, a endo não mata diretamente, mas pode matá-la aos poucos. Além da dor incapacitante, muitas endomulheres vivem à base de morfina, e o uso diário desse medicamento, principalmente, quem toma doses muito altas, é muito perigoso. A endometriose é uma doença que pode deixar a mulher incapacitada. Como já falado na matéria da revista Women’sHealth Brasil, o fato de a doença ainda não ser reconhecida como social pela nossa presidente, Dilma Rousseff, contribui para a ignorância das pessoas acharem que "queremos colo", ou "somos frescas”, “doidas”, "fracas para dor", dentre muitos outros. A minha opinião é que a gravidade de uma doença não está na questão de levar a óbito ou não, mas sim naquela que afeta a qualidade global de vida de uma pessoa, no caso em questão, de uma mulher. O que adianta estar viva, se muitas estão como se tivessem “ardendo no inferno” de tanta dor e presas às suas camas (desculpe, mas sei que muitas vivem assim!).  

A endometriose, além de não ter cura, é uma doença progressiva, ou seja, sempre que ela voltar, se não tiver um controle rigoroso, volta sempre com mais força. A endometriose não é um tumor maligno (assim como é o câncer), mas à medida que os focos vão instalando-se nos órgãos das mulheres, como útero, ovários, trompas, intestinos, bexiga, pleura, diafragma, pulmão, dentre muitos outros, é preciso cortar pedaços desses órgãos. Então, podemos dizer que a endometriose não é um câncer, porque o que assusta quando escutamos esta palavra é o fato de a pessoa (dependendo do estágio) vir a falecer. Porque as pessoas preferem ver o outro morrer numa cama (sofrendo horrores) a perdê-lo. Hoje, eu não tenho mais esta visão e eu sei que a endo, em muitos casos, pode ser pior que um câncer. Precisamos dar um basta na ignorância de quem acha que não temos nada. Para mudar esta realidade que atinge cerca de 10 a 15 milhões de endomulheres brasileiras, peço que assinem e compartilhem entre seus amigos (um a um, pedindo e explicando!), a Petição Pública Brasileira em prol da portadora de endometriose. A endometriose precisa ser tratada como uma doença muito séria e que nos causa muitos transtornos, seja físicos e ou psicológicos. Quando tivermos 1 milhão de assinaturas, é que poderemos pensar em existir para nossos governantes. Em breve mais informações sobre o I Brasil na Conscientização da Endometriose, que se realizará no dia 30 de março. Ah, e já está na hora de trocar as capas do facebook, saiba como aqui! Beijos com carinho!!


1- Por que o Zoladex causa perda de massa óssea? Essa perda pode ser recuperada ou é irreversível? Terezinha Cunha, Sobral, Ceará
Dr. Hélio Sato: Os análogos de GnRH, e o Zoladex inclui nesta classe de medicação, inibem a produção de estrogênio, hormônio que promove as características da mulher (mama, gordura nas nádegas, etc...) também participa na ovulação e inibe a absorção óssea pelas células responsáveis em remover o estrutura física dos ossos. Assim, a ausência de estrogênio promovido pelo Zoladex aumenta a absorção do tecido ósseo. E, principalmente, por esta ação nos ossos o uso prolongado do Zoladex deve ser ponderado cautelosamente. No entanto, o uso seguido de 6 meses, é o prazo aceito pela maioria dos grupos que tratam a endometriose como sendo tempo seguro no que se refere a perda de massa óssea. E a perda de massa óssea causada pelos análogos de GnRH pode ser recuperada.

2 – Tenho 27 anos, uma filha de 3 e descobri há poucos meses que tenho endometriose. Tenho caso de câncer de útero na família e muitas pessoas me falaram que tenho de retirar o útero. É necessário mesmo? Qual a relação entre endometriose e câncer? Lívia, Rio de Janeiro – RJ
Dr. Hélio Sato: Em minha opinião, a retirada do útero e dos ovários é uma boa opção em termos de eficácia. Porém, deve ser proposta principalmente nas mulheres mais maduras e que não desejam mais ter filhos, como este não é sua situação, sugiro procurar ter outras opiniões antes da decisão. Em relação ao câncer, a endometriose muito muito muito muito muito (não foi erro de digitação, apenas, ênfase, muita ênfase) raramente se transforma em câncer, assim, o raciocínio da decisão não deveria pautar nesta possibilidade e sim nos sintomas, situação conjugal, desejo de filhos, etc...

Sobre o doutor Hélio Sato:



Ginecologista e obstetra, Hélio Sato é especializado e endometriose e em laparoscopia. Ele tem graduação em Medicina, Residência Médica, Preceptoria, Mestrado e Doutorado em Ginecologia pela Universidade Federal de São Paulo. É pesquisador principal de projeto regular da FAPESP.

Hélio Sato tem certificado em Laparoscopia pela Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e de Obstetrícia. É membro da AAGL “American Society of Gynecology Laparoscopy” e é membro associado da clinica GERA de reprodução humana. (Acesse o currículo Lattes do doutor Hélio Sato).

8 comentários:

  1. Olá adorei o texto muito esclarecedor só ficou uma dúvida,poderia tomar o Allurene com um repositor de cálcio? Ou melhor não misturar os dois?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Iris, como vai?
      Se vc quiser participar da seção, por gentileza avise-me e me diz de qual cidade e estado você é... podemos colocar essa sua duvida para o dr. Hélio Sato responder. Beijo carinhoso! Caroline Salazar

      Excluir
  2. Quero agradecer ao doutor pelos esclarecimentos. Não é fácil por vezes para que o companheiro da portadora de endometriose consiga acompanhar o doença, suas caracteristicas, evolução e perscrição medicamentosa. Desse jeito fica mais fácil.

    Muito obrigado e continue apoiando as familias atingidas por essa realidade.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom! gostei muito ,e gostaria de saber se devo continua tomando o allurene?pois já faz 24 dias que tomo e durante esses vinte e quatro dias a menstruação se manteve ,dias mais outro menos,mas a verdade é que continuo sangrado as dores deram uma aliviada mas ainda existem e as vezes muito forte meu medico falou que esta tudo normal,mas eu ja não aguento mais,e como esta normal se estou sagrando ?
    desde ja obrigada!
    um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Marilene, como vai querida?
      Se vc quiser participar da seção, por gentileza avise-me e me diz de qual cidade e estado você é... podemos colocar essa sua duvida para o dr. Hélio Sato responder em junho. Beijo carinhoso! Caroline Salazar

      Excluir
  4. Parabéns ao blog.. muito bem elaborado.
    Parabéns ao Dr. Helio, o qual guardo recordações de muito carinho durante meu pré-natal e parto em 2009.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Tânia, espero que vc esteja bem!
      Obrigada por seu carinho! De fato, o dr. Hélio Sato é um médico fantástico, muito humano e o qual só temos boas recordações. Vc tem endometriose? Se quiser contar sua história, por gentileza envie-me email com o título História da leitora: carolinesalazar7@gmail.com Beijo carinhoso! Caroline Salazar

      Excluir
  5. Agradeço a este blog ,pois atraves dele que encontrei esse medico maravilhoso Dr.Helio Sato que descobriu que eu tinha endometriose,sai da Bahia pra me consultar com ele e consegui ,agora espero por uma video .

    ResponderExcluir