terça-feira, 13 de setembro de 2016

A HISTÓRIA DE FABY CAYRES, SUA ENDOMETRIOSE GRAU IV, SUAS QUATRO FERTILIZAÇÕES ATÉ A GRAVIDEZ GEMELAR!!

Faby com Mariana e Gabriel em seus braços - Foto: Arquivo pessoal

Neste mês o A Endometriose e Eu conta a história de fé e superação da nossa querida Fabiana Cayres, de São Paulo. Faby, como é carinhosamente conhecida, descobriu ser portadora de endometriose após se casar quando começou as tentativas para engravidar. Porém, ela sempre teve o principal sintoma da doença: as fortes cólicas que a levaram muitas vezes ao pronto-socorro. Mais um alerta às mulheres que sofrem com cólicas incapacitantes. Depois de muita luta, muitos choros, 4 fertilizações in vitro e três abortos (um, inclusive, foi no Dia das Mês), ela realizou seu sonho da maternidade e hoje se dedica exclusivamente aos geminhos Mariana e Gabriel. Mais um testemunho que vai levar esperança e fé às endomulheres que estão enfrentando a infertilidade.  Compartilhe os artigos do A Endometriose e Eu e espalhe a correta conscientização da endometriose. Beijo carinhoso! Caroline Salazar



“Me chamo Fabiana Cayres, tenho 35 anos e sou portadora de endometriose profunda grau IV.  A Carol me convidou para contar um pouco da minha história e aqui estou eu. Menstruei pela primeira vez com 13 anos e, desde a primeira menstruação, sentia cólicas.  Nos primeiros meses eram bem fracas, mas conforme o tempo ia passando a intensidade aumentava gradativamente.

Quando eu tinha 16 anos minha mãe me levou ao ginecologista para verificarmos o porquê de tantas dores.  Não cheguei nem a fazer exames, a médica passou apenas analgésicos. Desde então, uma vez ao ano, eu ia às consultas de rotina e passei a fazer os exames pedidos pelos médicos.  Ultrassons, papanicolau, exames de sangue para dosagens de hormônios e etc. Todos os exames eram sempre normais, porém as minhas dores continuavam cada vez mais fortes.

Aos 25 anos as dores se intensificaram tanto que os analgésicos não faziam mais efeito, e eu tinha que ir ao pronto-socorro todos os meses para tomar medicação na veia, só assim conseguia seguir com as minhas atividades do dia a dia, como trabalho e estudos. Nessa fase, cheguei a questionar à minha médica se eu não poderia ter endometriose, já que eu sentia tantas dores. Ela deu risada e me disse que endometriose era a doença da “moda” e que eu não tinha não, pois todos os meus exames estavam normais.

Segui minha vida e as dores sempre aumentando. Nessa fase eu já tinha outras “queixas”.  Sempre que estava menstruada eu sentia uma vontade absurda de urinar junto com um ardor incontrolável. Precisava sempre sair correndo para ir ao banheiro e muitas vezes não conseguia segurar a vontade. E sentia também “facadas” no intestino. Geralmente essas pontadas vinham junto com as cólicas.  A essa altura já estava sentindo bastante dor durante as relações sexuais.

Em 2012, quando eu tinha 30 anos, uma semana antes do meu casamento, cheguei a desmaiar no meu trabalho de tanta dor.  Foi uma dor tão forte que eu não suportei. Me levaram para o hospital e ligaram para o meu marido, na época meu noivo, para ele ir me encontrar. Chegando lá, ele me encontrou convalescente tomando a medicação na veia e foi conversar com o médico que me atendeu no pronto atendimento. Meu marido não suportava mais ver o meu sofrimento. Todos os meses era a mesma situação. Eu sentia muitas dores, tomava muitos remédios e quase sempre tinha que ir ao pronto-socorro, e me ver ali na emergência foi a gota d´agua.

Ele pressionou o médico e o mesmo disse a ele para pesquisar sobre endometriose, pois pelo meu relato poderia ser esse o meu diagnóstico. Ali mesmo no hospital ele pesquisou pelo celular e viu que tudo se encaixava com os meus sintomas. Fui para a casa, nos casamos na semana seguinte e partimos para a lua de mel. A nossa ideia já era iniciar os “treinos” para aumentar a família na lua de mel.  Na verdade começamos as tentativas, mas a gravidez não aconteceu. Voltamos de viagem e de novo eu passei mal no meu ciclo menstrual. Dessa vez, o meu marido teve que me levar de madrugada para o pronto-socorro.  Eu não conseguia ficar ereta de tanta dor. Chegamos ao hospital e me encaminharam para fazer uma tomografia, pois suspeitaram de apendicite. Fiquei em observação durante toda a madrugada e quando saiu o resultado a médica me chamou e me deu o diagnóstico:  apenas um “cistinho” no ovário.

Voltamos para casa e confesso que me senti muito mal com a forma que a médica me deu o diagnóstico, pois parecia que a minha dor era incompatível com o tal “cistinho” ou que eu estava inventando a dor.   Me senti mal perante meu marido e comigo mesmo. Uma semana depois, eu estava trabalhando e lá comecei a relembrar desse dia no hospital e me lembrei que me deram o protocolo para retirar a tal tomografia que fiz no pronto-socorro. Decidi ir lá buscar. Cheguei ao hospital, peguei o envelope e abri ali mesmo.  Quando eu li o que estava escrito minhas pernas ficaram bambas: ENDOMETRIOSE PROFUNDA COM ACOMETIMENTO DE BEXIGA, INTESTINO, OVARIOS...

Como assim?? Não era apenas um “cistinho” conforme a médica havia me dito? Senti uma revolta muito grande naquele dia. Fiquei sem rumo. Liguei para o meu marido e não sabia o que fazer. Decidimos ir até a emergência de outro hospital e pedir para o médico me orientar. Como eu estava tentando engravidar aproveitei para pedir um exame de Beta HCG, pois tinha a esperança de estar grávida, mas não estava e nem imaginava a batalha que ainda travaria para ser mãe.

O médico viu o meu exame e confirmou que eu era portadora de endometriose no grau mais avançado da doença. Disse também que, provavelmente, eu precisaria de cirurgia e de tratamentos para engravidar. Ele não me pediu nenhum exame, pediu apenas para eu procurar algum médico especialista. Marquei a consulta com o médico e tivemos uma longa conversa onde ele me explicou todos os detalhes da endometriose. Em apenas um exame de toque ele conseguiu ver que eu realmente tinha a doença e me pediu outros exames para mapearmos. Solicitou a ressonância magnética, o ultrassom com preparo intestinal e vários exames de sangue. Os exames ficaram prontos e lá tivemos a confirmação de que eu tinha endometriose atrás do útero, no intestino, na bexiga, nos dois ureteres - que estava quase comprometendo meus rins -, no apêndice e endometriomas nos dois ovários. O meu caso era realmente assustador e já sai da sala do médico com a cirurgia marcada.   
Mariana e Gabriel aos 9 meses de idade - Foto: Arquivo pessoal

Além do especialista em endometriose, um urologista e um proctologista participaram da minha cirurgia. Como o médico sabia que eu queria ser mãe, ele pediu para eu tentar uma Fertilização in vitro antes da cirurgia, pois dessa forma congelaríamos os embriões, já que eu corria o risco de perder os dois ovários na cirurgia, porque estavam muito comprometidos. Fiquei muito assustada e anestesiada com tudo isso. Tudo era novidade e isso me assustava demais. Eu morria de medo de injeções e de repente me via no meio de um tratamento que necessitava de muitas “agulhadas”.   Mas isso era de menos perto do meu medo de não ser mãe. Era dezembro de 2012 quando comecei a estimulação ovariana e neste momento o meu medo era de ter muitos óvulos, pois eu não queria ter que descartar nenhum “filho”. Nessa fase o meu conhecimento era muito cru e imaturo.

O meu medo não aconteceu e o que eu não imaginava aconteceu. Eu tive apenas um único óvulo e esse era de péssima qualidade e nem fertilizou. Ou seja, tive que encarar a cirurgia, sabendo que eu corria o risco de perder os dois ovários e sem ter nenhum embrião congelado. Chegou o dia 06 de janeiro de 2013 e às 6h lá estava eu me internando no hospital para minha cirurgia. Me internei um dia antes para fazer a dieta para limpar o intestino. Era uma dieta apenas líquida. Eu estava muito ansiosa. Meu marido me acompanhou em todos os momentos. No dia seguinte, às 6h da manhã minha cirurgia começou e durou quatro horas. Passei muito mal na sala do pós- operatório após acordar. Sentia um frio absurdo e vomitava sem parar.

Faby com Gabriel e Mariana aos 6 meses Foto: Arquivo pessoal
Assim que melhorei um pouco me levaram para o quarto e ao sair do elevador, ainda na cama, meu marido veio emocionado ao meu encontro. Ele beijou minha testa e segurou as minhas mãos. Fomos para o quarto e a enfermeira tentou me dar um suco, que não ficou no meu estômago por muito tempo. Tive muito medo de perguntar para o meu marido sobre como tinha sido a cirurgia. Tinha muito medo de ouvir que eu tinha perdido os ovários. Percebendo o meu medo, ele logo foi me dizendo: sua cirurgia foi um sucesso!  O doutor manteve todos os seus órgãos! Eu gritei! Gritei de felicidade e não sei de onde tirei forças! Como fiquei feliz. Fiquei internada por sete dias. Esses sete dias no hospital foram bem difíceis. Minha cirurgia foi por videolaparoscopia e por corte de cesárea também.

Nos primeiros dias eu sentia muitas dores devido ao ar que entra na barriga durante a cirurgia. Esse ar vira gases e nos dá cólicas intestinais absurdas. Fui para casa usando a sonda urinária e retirei sete dias após a alta, ou seja, 15 dias após a cirurgia. Fiquei afastada 30 dias do meu trabalho e quando voltei ainda estava abatida e 10 quilos mais magra. No retorno com o meu médico ele me disse que na minha segunda menstruação após a cirurgia eu já poderia iniciar a próxima tentativa de Fertilização in vitro. Mas tinha um porém: eu estava recém-casada, já havíamos pago a primeira FIV e a cirurgia, não tínhamos condições financeiras de pagar, naquele momento, mais uma tentativa de fertilização. Fiquei arrasada. Sou muito ansiosa, ser mãe era um grande sonho e não poder naquele momento fazer a FIV foi um golpe para mim. Fiquei muito triste. Pesquisei alternativas e vi que algumas meninas conseguiram ganhar na justiça uma liminar que obrigava os planos de saúde a arcarem com os gastos dos tratamentos para engravidar.

Não pensei duas vezes e em junho de 2013 entrei com o processo. Nesse meio tempo, decidi tentar engravidar naturalmente, pois tinha lido que após a cirurgia as chances aumentam. Consegui ter uma gravidez química!  Um teste de farmácia com uma segunda linha bem clarinha, um atraso menstrual de dois dias, mas a menstruação logo chegou levando as minhas esperanças. Foram apenas três meses de tentativas e logo tive a minha liminar positiva nas mãos. No dia seguinte já estava na clínica para começar, mas levei um grande balde de água fria na cabeça.

Faby com os geminhos no forninho -Foto: Arquivo pessoal
Com as tentativas de engravidar naturalmente nasceram novos endometriomas nos meus dois ovários. Fiquei arrasada porque esses endometriomas prejudicam a evolução da estimulação ovariana. Essa seria a minha segunda tentativa e eu já sabia como era.  Iniciei a segunda tentativa em novembro de 2013. Estava sim muito ansiosa, mas confiante. Tudo correu bem e, dessa vez, tive bons óvulos e dois bons embriões que vieram para minha barriga três dias depois da fecundação. Após a transferência eu quase enlouqueci de ansiedade. Esperar o beta era um teste de paciência desesperador. E na véspera do Natal de 2013, lá estava eu com meu teste de farmácia positivo! Gente que emoção!

No dia seguinte, no almoço de Natal, contamos para toda a família, que não estavam sabendo que faríamos o tratamento e todos se emocionaram. No dia 26, logo no primeiro horário, estava eu no laboratório para fazer o Beta HCG. Esperei lá mesmo e confesso que foi frustrante ver o resultado de apenas 40. Eu esperava mais e senti um frio na espinha. Será que estava tudo bem com meu bebê? Liguei para o meu médico que prontamente me deu os parabéns e disse para eu aproveitar a gravidez e voltar no consultório em dez dias para fazermos o primeiro ultrassom.

Esses dez dias demoraram uma eternidade para passar e quando chegou o grande dia meu coração parou ao ouvir do médico que não havia batimentos cardíacos no embrião. E, além disso, um dos embriões se implantou na minha trompa o que me levaria a fazer um acompanhamento muito de perto por meio de ultrassons semanais, pois se essa trompa rompesse eu correria risco. Sai do consultório arrasada. Tive uma gravidez heterotópica, que significa quando um embrião implanta no útero e o outro na trompa. Gravidez raríssima e a da trompa, não evolutiva.  No meu caso, nenhum embrião evoluiu e o médico pediu para parar com as medicações e aguardar o aborto natural.

Contei para o médico sobre a gravidez química e esse foi considerado o meu segundo aborto. Por isso ele me pediu alguns exames de sangue para investigar trombofilia. No dia seguinte, fui para o laboratório para colher esses exames e lá comecei a sentir uma cólica muito forte e, no banheiro do laboratório, abortei. Me revoltei e senti a maior dor psicológica do mundo. Briguei com Deus. Não entendia porque eu tinha que passar por aquilo. Por que Deus me deu e ia me tirar? Esqueci-me de comentar que desde que eu descobri a endometriose, por orientação do meu médico, iniciei terapia e me ajudou muito. Dois ciclos depois eu estava pronta para mais uma tentativa. Era março de 2014. Tudo correu bem e transferi dois embriões de ótima qualidade cinco dias após a fecundação, eram blastocistos (nota da editora: embrião com cinco ou seis dias de vida). 

E como fui diagnosticada também com trombofilia, já iniciei a medicação. Sete dias após a transferência fiz o teste de farmácia e lá estava meu positivo! Fiz surpresa pro marido e o levei para jantar. No meio do jantar o garçom entregou para ele uma caixinha com o teste positivo! Que emoção! Eu estava grávida novamente! Chegando em casa notei uma borra de sangue e já me desesperei. Fui dormir e no dia seguinte parecia ter parado. Fui trabalhar e quando cheguei ao trabalho a quantidade de sangue aumentou demais. Falei com o médico que me mandou para casa e me pediu repouso absoluto. Eu já sabia que as coisas não estavam bem. Fiz o Beta HCG que confirmou a gravidez, mas logo confirmamos que a gravidez não evoluiria. Mais um aborto. Dessa vez demorou 40 dias para ocorrer o aborto natural e abortei em pleno Dia das Mães em maio de 2014. Estávamos em 2015. Sofri muito nesse dia.  Não tenho mais a minha mãe e abortei naquele dia que era para ser especial.

Faby com Mariana e Igor com Gabriel no aniverário de
um ano dos geminhos - Foto: Arquivo pessoal
Mais dois ciclos, em julho de 2014, e lá estava eu para a minha quarta tentativa de fertilização in vitro. Nessa tentativa eu sentia uma paz imensa. Não sei explicar. Já estava tão calejada... Tudo correu bem e transferir dois embriões de ótima qualidade no quinto dia após a fecundação. Seis dias após a transferência fiz o teste de farmácia e lá estava um super positivo. Fiz o beta HCG no D9 (nove dias após a transferência) que deu 179 – um número alto - e ali eu já sabia que eram gêmeos. Com cinco semanas vimos os dois sacos gestacionais, com sete semanas ouvimos os dois coraçõezinhos, com 12 semanas descobrimos os sexos e com quase 38 semanas, no dia 22 de março de 2015, Gabriel e Mariana chegaram!

Essa sou eu! Faby, portadora de endometriose profunda. mamãe dos gêmeos Gabriel e Mariana, de um ano e cinco meses e a mulher mais feliz desse mundo! E essa é a minha história em busca da realização do meu grande sonho: a maternidade. Não me arrependo de nada e faria dez fertilizações se fosse preciso. Hoje vivo a maternidade em sua plenitude. Saí do meu trabalho para me dedicar integralmente aos meus bebês. Tinha uma carreira sólida na área de Tecnologia da Informação, e me transformei em blogueira de maternidade, conto todo o meu dia a dia no blog www.mamaedegemeos.com e no Instagram @faby_mamaedegemeos

Se você é portadora de endometriose e sonha em engravidar, lute até onde suas forças permitirem. Se puder vá além. E tenha muita fé, pois ela nos leva à realização dos nossos sonhos. Eu sou  a prova viva de que é possível vencer o impossível. Beijo carinhoso! Faby”


6 comentários:

  1. Linda a sua história Faby ♥ Sou Eduarda tenho 21 anos , minha primeira menstruação foi aos 11 anos e desde então sinto colicas que foram se agravando com os anos , e com o passar do tempo comecei a sentir fortes dores para evacuar no período mestrual e chegando ao ginecologista ele me passou um remedinho para cólica e disse "Isso é normal" . Com o passar dos anos os sintomas intestinais foram almentando e ir ao banheiro era o pior momento . Cheguei ao ponto de ir à um proctologista aos 17 anos e ele me disse "Isso é coisa da sua cabeça" COMO ASSIM ??? Continuei sentindo dores como se fossem facadas na hora de evacuar no período mestrual . Aos 20 anos me casei e aí as coisas pioraram pois as dores na relação sexual eram simplesmente insuportáveis e eu não sabia o que fazer pois não sabia o que tinha e a esse ponto com o passar do tempo já sofria com dores no pé da barriga fora do período mestrual , sendo assim menstruando ou não eu era dor todo dia :( . Ao pesquisar sobre essas dores me veio o nome ENDOMETRIOSE e eu tinha todos os sintomas descritos , sem perder tempo fui a uma otima ginecologista que ao ouvir os sintomas desconfiou de endometriose e me passou uma série de exames de sangue e um deles o ca 125 deu resultado alterado para meu desespero ... Ela me passou uma ultrassonografia que não constou nada ,e logo após uma ressonância magnética aí sim foi descoberta ,endometriose nos ligamentos utero sacros e aderência das alças intestinais com o útero e do ovario esquerdo com o útero , a essa altura eu estava fazendo tratamento com o cerazette que não adiantou nada e nada mesmo as dores continuavam insuportáveis , e a partir desse resultado a doutora mudou o medicamento agora para o pietra ed que também não está me ajudando muito e a doutora me indicou um proctologista para examinar o intestino . Daqui a 1 mês volto para a doutora , não sei se preciso de cirurgia mais estou nas mãos de Deus e muito ansiosa pois até hj não consegui engravidar , mais sei que não cai uma folha da árvore se não for da permissão de Deus , vou passar pelo que tiver que passar e lutar até o fim . Beijos é um prazer compartilhar minha história com vocês meninas ♡♡

    ResponderExcluir
  2. Aqui estou eu novamente pra dizer que nao tem nada mais deprimente que vc ir a um ginecologista e ouvir a pessoa que era pra dá a vc uma solução para os sintomas apresentados ele vem e diz que vc nao tem nada ou que isso e frescura ou então ele dizer que vc nunca vai engravidar vc jamais será mãe. E te fala assim na tua cara sem se importar com seus sentimentos. Passei por isso com minha filha. Ninguém pode imaginar vc ouvir sua filha dizendo em prantos tudo isso e vc buscar forças pra e dizer palavras de conforto e esperança a sua filha foi o que fiz. Eu disse que a Medicina estava avançada e brincando falei que esse médico ainda nao havia descoberto. E hj até agradeço por todo esse acontecimento pois fui dps de tudo isso e por um mioma descoberto foi que descobrimos que ela era portadora de endometriose. Agora ela tem uma rotina normal tentamos dentro do ambiente familiar sempre mostra que a palavra final aempre será de Deus. E agredito que uma dia se for da vontade dele ela será mãe. Que Deus abenço todas as endomulheres existentes no mundo.

    ResponderExcluir
  3. Faby eu já conhecia sua história por cima dos grupos de endometriose, de fertilização. Mas nunca tinha lido ela por completo. Menina eu lendo, parece muito com a minha. Gostaria muito da sua ajuda, a sua primeira fiv foi igual a minhs, só q óvulo de má qualidade, me desesperei achando que não tinha óvulos. Fiz uma segunda fiv, conseguimos 10 óvulos, 6 maduros, e como eu fazia por ovodoacao, fiquei c 3 óvulos somente, 1 só fertilizou, mas não chegou ao 5 dia. Dessas 2 fiv não tive embriões pra transferir. Agora estou na luta conseguindo documentos pra entrar na justiça, ê minha única esperança. Se puder me ajudar te agradeço. Tipo qual medicação tu tomou pra ajudar nos óvulos. Bju

    ResponderExcluir
  4. Faby eu já conhecia sua história por cima dos grupos de endometriose, de fertilização. Mas nunca tinha lido ela por completo. Menina eu lendo, parece muito com a minha. Gostaria muito da sua ajuda, a sua primeira fiv foi igual a minhs, só q óvulo de má qualidade, me desesperei achando que não tinha óvulos. Fiz uma segunda fiv, conseguimos 10 óvulos, 6 maduros, e como eu fazia por ovodoacao, fiquei c 3 óvulos somente, 1 só fertilizou, mas não chegou ao 5 dia. Dessas 2 fiv não tive embriões pra transferir. Agora estou na luta conseguindo documentos pra entrar na justiça, ê minha única esperança. Se puder me ajudar te agradeço. Tipo qual medicação tu tomou pra ajudar nos óvulos. Bju

    ResponderExcluir
  5. História muito bonita e inspiradora. Obrigada por compartilhar!

    ResponderExcluir
  6. Olá Faby! A minha história é muito parecida com a sua, e fico feliz por vc!! Também tive endometriose profunda tipo IV, demorei muitos anos até descobrir e fazer o tratamento adequado...
    Hoje fazem quase 4 meses da minha última laparoscopia (que também foi por video e pelo corte de cesariana) e estou fazendo os exames necessários para iniciar o tratamento para engravidar.
    Tenho muita fé que vou conseguiu engravidar, mas às vezes desanima ter que fazer tantos exames invasivos, ser furada toda hora sem saber como será o meu futuro, por isso ouvir depoimentos como o seu é muito importante nessa fase!!!
    Apesar de muito tempo tentando nunca engravidei, e já tive muita resistência à idéia de fazer FIV, mas hoje vejo que essa possibilidade é cada vez mais real, e isso dá um certo medo... enfim, sigo na luta e espero ter um final tão feliz qto o seu!!
    Um bjo grande e muitas bençãos à sua família linda!!

    ResponderExcluir