terça-feira, 17 de novembro de 2015

TER ENDOMETRIOSE SIGNIFICA COMPLICAÇÕES NA GRAVIDEZ E NO PARTO?

Fonte: artigo original blog Tonic Tea

Recebi algumas mensagens na fanpage do A Endometriose e Eu pedindo que abordássemos o tema gravidez e complicações no parto. Já pedi ao doutor Hélio Sato para escrever um texto mais abrangente sobre o assunto. Sem saber, nosso querido colaborador Alexandre Vaz traduziu este texto da australiana Kate Young onde ela fala um pouco sobre o tema. Eu já recebi relatos de muitas portadoras falando que sofreram horrores durante a gestação. Eu não tive nada, nada de dores da endo ou coisa do tipo. Eu sofri mesmo porque a reta final da minha foi no verão, então, imagine como fiquei. Não aconselho ninguém a ter os últimos meses de gravidez na estação mais quente do ano. Não sei se é porque eu já não sinto nenhuma dor desde junho de 2012, quando fiz minha segunda e última videolaparoscopia. Como o meu obstetra é também o meu especialista em endo, então, se eu tivesse sentido algo seria muito mais fácil, pois essa é uma dica de Kate: a comunicação entre o obstetra e o especialista. Se você acha que vai engravidar e ficar curada da endometriose, leia o texto do doutor David Redwine sobre o tema (A gravidez é a cura da endometriose?). Beijo carinhoso! Caroline Salazar

Por Kate Young 
Tradução: Alexandre Vaz
Edição: Caroline Salazar

Ser portadora de endometriose significa que terá complicações na gravidez e no parto?


Não acham a endometriose uma doença bem divertida? É difÍcil ler algo sobre endo sem que alguém jogue na sua cara a possibilidade de infertilidade, e agora todo o mundo está falando de gravidez e complicações no parto também. Coisa boa, gente. 

Recentemente as coberturas da mídia (*) sobre a endometriose causar “risco mais elevado” na gravidez e no parto foram todas baseadas num único estudo. No mundo da ciência nós precisamos constituir as evidências com base em mais do que um estudo antes de afirmar algo.

Felizmente alguns pesquisadores reviram recentemente todos os estudos que abordaram os resultados das gravidezes de portadoras de endometriose (como poderá ler aqui). Essa postagem é um breve resumo do que eles descobriram.

Aspectos importantes:

1. As descobertas podem não se aplicar ao seu caso em particular. O risco da gravidez e de complicações no parto estão provavelmente associados com a severidade física e localização da endometriose (por exemplo, a proximidade de um órgão reprodutor), e também ao ou aos tratamentos recebidos no passado (exemplo, tendo feito uma cirurgia importante que tenha causado mudanças na estrutura de algum órgão reprodutor).

2.Poucos estudos levaram em conta se a mulher sofria de uma doença chamada adenomiose para além da endometriose. Essa doença é conhecida por estar associada a um maior risco da gravidez e de complicações no parto, e poderá ter infuência nos resultados.

3. Muitos estudos não levaram em conta os efeitos do uso da tecnologia de reprodução assistida, que acarreta um risco maior da gravidez e de complicações do parto. Nesses estudos é possivel que o uso dessa tecnologia possa ter sido a única causa do aumento do risco.

Gravidez em tenra idade:

Um aborto acontece quando a gravidez termina espontaneamente, geralmente nos primeiros três meses. Estima-se que 1 em cada 5 mulheres que ficam grávidas irão experimentar um aborto, mas pouco se sabe ainda sobre as causas. A situação é menos clara ainda para as portadoras de endometriose.

Estudos realizados para descobrir se a associação entre o fato de ter endometriose e a ocorrência de aborto têm sido de fraca qualidade. Lembre que alguns, mas não todos desses estudos descobriram que as portadoras possuem uma taxa de aborto ligeiramente mais elevada do que as mulheres que não têm endometriose.

Gravidez tardia:

Sete estudos baseados na população examinaram a associação entre a endometriose e vários resultados da gravidez. As descobertas desses estudos (note o uso da palavra “sugere” em vez de “demonstrou”) um risco aumentado de hemorragia obstetricial, placenta prévia e nascimento precoce para mulheres com endometriose.

Uma associação envolvendo pré-eclâmpsia (1), bebês com baixo peso e cesárias recebeu menos suporte. O risco geral para todas essas complicações é relativamente baixo.

O que significa tudo isso?

Não existem evidências de boa qualidade para informar as portadoras acerca da gravidez e das complicações do parto. Os autores da revisão notaram que os seguintes pontos devem ser considerados para os cuidados maternos a administrar às portadoras:
  • É muito importante que a mulher receba informação sobre as potenciais complicações específicas para o seu caso em particular, incluindo informação sobre os riscos e benefícios de um parto vaginal e de cesárea;
  • Pesquisas recentes não aconselham o uso de exames de imagem adicionais durante a gravidez, principalmente por não serem capazes de antecipar complicações na gravidez e no parto;
  • Portadoras que experimentam dor abdominal durante a gravidez beneficiariam de cuidados que considerem a possibilidade de complicações associadas com a endometriose.
Penso que a mensagem principal a retirar disso é que existe a possibilidade (não a certeza) da existência de um risco maior na gravidez e de complicações no parto se for portadora. Dada essa possibilidade, poderá ser benéfico ter um profissional de cuidados maternos (parteira, obstetra) em quem você confie e com quem esteja confortável para debater essas suas preocupações.

Dependendo do seu caso particular, será desejável que o seu obstetra tenha um canal de comunicação facilitado com o seu especialista de endometriose para que toda a equipe que cuida de você esteja na mesma linha de pensamento.

(*) Escolhi não linkar nenhum desses artigos já que eles são enganadores e promovem uma “cultura de medo” em torno do nascimento.

Fonte: Tonic Tea

Nenhum comentário:

Postar um comentário