sexta-feira, 29 de novembro de 2013

"SUPERANDO A ENDO INFERTILIDADE": EM BUSCA DO SONHO DE GIULIA - PARTE 3!!

imagem cedida por Free Digital Photos
Na terceira parte de "Em Busca do Sonho de Giulia",  nossa querida leitora conta o resultado de seus exames preparatórios para realizar a tão sonhada fertilização in vitro. O dia que seria um dos mais felizes de sua vida até aqui, ao levar seus exames para os médicos do Instituto de Ensino e Pesquisa em Medicina Reprodutiva de São Paulo, Giulia foi surpreendida pelo resultado ruim de um dos principais exames a ser feito para quem faz tratamento para engravidar: a biópsia do endométrio. Como já relatado aqui antes por Giulia, foi justamente este exame que a fez optar pelo local onde realizaria seu sonho da maternidade. Antes, ela e o marido foram a outras clínicas, mas nenhuma delas constava dentre os exames a serem feitos a averiguação do endométrio. Ele é muito importante para que haja  fixação do embrião no útero. Sem a biópsia do endométrio, Giulia talvez teria postergado ainda mais o grande sonho de sua vida. Ainda mais para quem tem endometriose. Por isso, pesquisar, conhecer o local e também ter contato com mulheres que já fizeram tratamento no lugar que você mais se interessou é fundamental. 

Para quem perdeu o primeiro e o segundo capítulos de "Em Busca do Sonho de Giulia", não deixe de ler. Às tentantes tenham fé e não desista de seus sonhos, mas controla a ansiedade. Aos poucos vamos tentar mudar o pensamento errôneo, a quem chamo de mentes ignorantes, sobre nós e a doença. É por isso que luto! E quero todas juntas!  E é para isso que a marcha Mundial contra a Endometriose será muito importante. Para isso, continue votando no A Endometriose e Eu, no prêmio TopBlog Brasil 2013 (clique aqui e dê seu voto). O primeiro turno vai até 25 de janeiro. Conto com o voto de todos e a gentileza em compartilhar a votação entre seus amigos. Beijo carinhoso!! Caroline Salazar 

Em Busca do Sonho de Giulia - parte 3:

“Treinar e alimentar minha paciência e fé. Foi assim que terminei a segunda parte de minha saga. Pois, então, terminado os exames, pensei que todos estariam perfeitos para já iniciarmos a fertilização in vitro. Mas, infelizmente, não foi isso que aconteceu. Marquei a consulta e, mais uma vez, meu marido se ausentou do trabalho para me acompanhar. Como os exames de sangue deram todos normais, pensei que já sairíamos de lá com o protocolo da fertilização. Neste dia, em especial, os casais que participam deste tratamento de baixo-custo estavam na recepção. Aí tem os mais otimistas, e aqueles que te desanimam total.

Porém, como disse antes, eu estava aprendendo a exercitar minha fé. E comecei a treinar meu ouvido para só escutar as histórias e comentários positivos. Chegou o tão esperado momento da consulta. A  tão esperada quinta-feira. Coração batendo forte! Entramos. Além dos médicos que nos atendem, os supervisores que dão suporte a eles, também estavam na sala. E a minha ansiedade não era à toa. Justamente, a biópsia do endométrio deu alterada. E é justamente esse o exame que falei anteriormente que é um dos diferenciais do IMSP, pois na clínica que fui antes não me pediram esse exame. Meu mundo desabou! Por que tudo tinha de ser tão difícil? Um dos supervisores veio falar comigo e com meu marido. 

Resultado? Micropólipos em toda parede do útero. Como ele conhecia meu médico, ele disse que iria ligar para ele, mas que eu teria de levar a biópsia do endométrio para ele ver. Sai de lá de arrasada, triste, aos prantos. Meu sofrimento parecia não ter fim!! Mas de uma coisa eu tive certeza absoluta: sai de lá confiando ainda mais na clínica que escolhi, pois esta foi a única (dentre todas que fui), que pediu este exame. Por mais que o resultado não foi o que eu gostaria, a biópsia do endométrio foi fundamental para não me fazer sofrer mais. Sem ele, eu iria fazer a FIV (saiba a diferença entre FIV e inseminação artificial),e não iria engravidar. Esse exame foi fundamental, pois descobriu o que poderia atrapalhar meu tão sonhado positivo (leia a dor do (s) beta (s) negativo (s) e a dor emocional de uma endo mulher). Com o passar dos dias fui me reerguendo novamente até a consulta com meu ginecologista. Estava ansiosa para saber qual seria o próximo passo diante desta situação. Apesar da tristeza, tenho fé e creio que tudo correrá bem. Torçam por mim! Beijo carinhoso!! Giulia."

26 comentários:

  1. É realmente muito trite desenvolver endometriose antes de ter um filho, tudo é mais difícil.

    ResponderExcluir
  2. Não é fácil mesmo, tenho 2 filhos e minha esposa perdeu outros 2. Essa doença traz muito sofrimento.

    ResponderExcluir
  3. Nunca perca a fé, ela sempre nos fortalece em momentos difíceis

    ResponderExcluir
  4. Ouvi dizer que quase impossível ter um filho quando se tem endometriose. é muito séria.

    ResponderExcluir
  5. O que não pode acontecer é perder fé! Tive dois filhos mesmo após ser diagnosticada infértil.

    ResponderExcluir
  6. Não é fácil, mas é possível.

    ResponderExcluir
  7. Eu superei a endo infertilidade 2 vezes e tô aí nessa luta, com duas crianças maravilhosas.

    ResponderExcluir
  8. Para superar essa infertilidade precisa de muita sorte. a endometriose vai direto no sonho da maternidade.

    ResponderExcluir
  9. Minha esposa passou por isso e quando menos esperávamos ela engravidou.

    ResponderExcluir
  10. A endometriose é um golpe muito duro para quem sonha ter filhos, pela dificuldade.

    ResponderExcluir
  11. Obrigado pelo artigo, sonho ter filhos e minha esposa passa por isso. Voltei a ter esperanças.

    ResponderExcluir
  12. Esse artigo é animador, ajuda a manter as esperanças

    ResponderExcluir
  13. É bem difícil mas não devemos perder as esperanças. Muitas conseguem.

    ResponderExcluir
  14. Muito difícil ter filhos com endometriose, muito mesmo mas minha esposa conseguiu então não sei qual é o fator determinante para se chegar até o final da gestação mas tenham fé.

    ResponderExcluir
  15. Sim, é possível superarmos, parabéns pela iniciativa do site e de ajudar a nós mulheres que nos sentimos perdidas diante dessa doença.

    ResponderExcluir
  16. É possível mesmo, esse artigo é ótimo para ajudar na autoestima

    ResponderExcluir
  17. Eu nunca acreditei ser possível, agora só penso nisso.

    ResponderExcluir
  18. Admiro muito quem luta e não desiste, parabéns a todas.

    ResponderExcluir
  19. Parabéns pelo site e pela iniciativa.

    ResponderExcluir
  20. Só quem já passou por isso sabe o quanto é difícil mas possível

    ResponderExcluir
  21. Muita luta mas muita fé, sigam que dá certo.

    ResponderExcluir
  22. Estou na luta tbm, acredito que um dia conseguirei ter meu filho.

    ResponderExcluir
  23. Passei muito sufoco e agora consigo viver, desejo o mesmo a todas as mulheres...

    ResponderExcluir
  24. Cada pessoa é única, umas conseguirão outras não. Devemos ter fé

    ResponderExcluir
  25. Não é tão fácil como tentam vender essa imagem

    ResponderExcluir
  26. É mesmo muita luta mas não impossível

    ResponderExcluir