sexta-feira, 28 de setembro de 2012

EU E O BLOG NA MATÉRIA SOBRE ENDOMETRIOSE DO " HOJE EM DIA", DA REDE RECORD!!

Hoje pela manhã, fui pega de surpresa pela minha endoirmã Patricia Gastaldi, do Endometriose Brasil, com a notícia de que a endometriose seria abordada no "Hoje em Dia", da Record. Foi uma pena não ter sido avisada antes para falar pra vocês, mas disponibilizo aqui o vídeo da matéria para que todos possam ver. Como estava trabalhando, eu só vi o resultado da reportagem que gravei em agosto, a noite. Quando recebi o telefonema da minha amiga Janaína dizendo que a pauta que ela havia sugerido sobre endometriose fora aprovada, e que queria o meu depoimento entre as entrevistas, fiquei feliz da vida. A Jana conviveu comigo quase diariamente, no ano passado, por oito meses, quando trabalhamos juntas na revista Hola! Brasil. É uma grande satisfação espalhar a palavra endometriose e é muito gratificante quando ela cai nas graças de meus amigos jornalistas. Quando gravei, já sabia que a matéria seria pequena, mas sei que cada segundo num programa nobre de qualquer emissora de TV é muito valioso. Agradeço à minha amiga Janaína e toda equipe do programa "Hoje em Dia", pela oportunidade e pelo espaço dedicado à doença. Não importa o tempo que durou, mas sim o conteúdo do programa e, confesso, adorei. Não tem preço que pague cada segundo dedicado à endometriose, desde que ela seja aborda de forma adequada. A matéria mostrou algumas consequências e não ficou em cima apenas de uma. Devido ao pouco tempo de reportagem, não deu para falar que a dispareunia (a dor durante a relação) tem cura, diferente da endometriose. Aliás, voltei à fisioterapia uroginecológica na Unifesp, no início de agosto, mas isso vou falar em outro post. Sejam bem-vindas às novas leitoras que o blog ganhou após esta reportagem. Em menos de 24h, o acesso do blog subiu de 1300 para 2100 diários. Obrigada a todas pela confiança e carinho, pois são vocês que fazem o blog ser o que ele é hoje.

Aproveito para informar que, no dia 03 de novembro, irá ao ar minha participação no programa "Ser Saudável", da TV Brasil, que gravei em maio, antes da minha segunda cirurgia. Estou na expectativa de que será bacana também, mas uma pena que não irá entrar esse momento mágico que estou vivendo agora. Pode deixar que irei avisar todos com antecedência. Aproveito para lembrá-los que no próximo domingo se encerra a votação do Top Blog Brasil 2012. Se você já votou compartilhe este pedido entre seus amigos, pois precisamos de uma boa classificação, para chamarmos mais atenção de nossos governantes. O A Endometriose e Eu nasceu para chamar atenção de nossas autoridades para que elas passem a conhecer a doença e a reconhecê-la como uma doença social e de saúde pública. Neste ano, cada pessoa te três oportunidade de votos, por e-mail, twitter e facebook.  Conto com todos vocês. Aqui, o passo a passo para votar. Qualquer dúvida, deixe-me saber. Beijos com carinho!!

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

DIETA PARA ENDOMETRIOSE: O QUE INGERIR, O QUE EVITAR E O QUE CONSUMIR MENOS?

Após alguns pedidos, eis aqui o primeiro artigo sobre a dieta para quem tem endometriose. Falei primeiro porque o tema é muito abrangente. Muitos estudos científicos de endometriose apontam que ter uma dieta balanceada e rica em certos alimentos são essenciais para manter o equilíbrio hormonal do corpo feminino. Afinal, o que podemos ingerir, o que devemos consumir menos e o que devemos evitar? Lembre-se, você é aquilo que você ingere. Portanto, quanto mais alimentos ricos em fibras, ômega 3, vitamina C (esse merece um artigo especial) ingerirmos, melhor será o funcionamento de nosso organismo, melhor iremos ficar e, consequentemente, menos doenças teremos. Este é apenas o primeiro artigo sobre o tema, pois ele é muito complexo. Eu também deixo bem claro que, assim como cada tratamento de uma mulher com endometriose, a dieta tem de ser individual e receitada por uma nutricionista. Mas, segue aqui, alguns dos alimentos que são permitidos, os que devemos reduzir e os que são proibidos, segundo estudos da minha amiga italiana Cristina De Angelis, da Fundação Italiana de Endometriose, que foi especialmente desenvolvido para quem tem endometriose e que, gentilmente, como sempre, me autorizou a tradução. Eu acrescentei algumas coisas, para explicar melhor pra vocês, mas a fonte principal foi o Endometriosit. Espero que curtem.

Esta é a última semana para votarem no A Endometriose e Eu, no Prêmio Top Blog Brasil 2012. O primeiro turno vai até o dia 30 de setembro, no próximo domingo. Vamos juntas em busca do reconhecimento da endometriose como uma doença social e de saúde pública por parte da nossa presidente, Dilma Rousseff, é só seguir o passo a passo aqui. Junte-se ao primeiro blog do Brasil que reivindica esse reconhecimento. É o blog pioneiro em retratar o dia a dia de uma endomulher e hoje o mais lido e o mais acessado no mundo todo. Beijos com carinho!!

Alimentos Permitidos:


Fibras: Elas têm um poder muito grande no funcionamento de nosso organismo. Além de ser uma das armas contra a obesidade, sabemos que a ingestão de fibras ajuda nosso intestino a funcionar melhor. E isso é um grande alívio para nós, portadoras de endo, que, geralmente, tem o intestino preso. O que poucos sabem é que as fibras reduzem o estrogênio que perambulam pelo nosso sangue. Se o estrogênio é o grande vilão da endo, então, as fibras, além de serem muito benéficas para nós, é uma grande aliada contra a endometriose. E não é só a endometriose. Essa dica vale também para quem tem câncer, pois o estrogênio é o responsável por estimular o crescimento das células das mamas, assim como dos tecidos dos órgãos reprodutores. Com o consumo de uma dieta rica em fibras, além proteger também o nosso organismo contra o câncer de mana, afasta o câncer de intestino e também o de pâncreas, pois as fibras controlam a glicemia, o diabetes e isso fazem com que o pâncreas trabalhe sem exageros. Para isso, o estudo italiano recomenda um aumento de 20 a 30% de fibras nas refeições, tais como: trigo, frutas e vegetais, arroz integral, dentre outros. Dos cereais, a aveia é um dos alimentos mais ricos em fibras. As fibras podem ser encontradas em alimentos como: legumes, verduras, frutas, cereais integrais, leguminosas, farelos e sementes, como a linhaça. Os nutricionistas alertam que o ideal mesmo é dividir as porções de frutas, verduras e legumes ao longo do dia.


Omega 3: O benefício do ômega 3 para quem tem endometriose, já foi abordado no blog, mas é bom frisar que o aumento do consumo de ácidos graxos de ômega 3 promove a produção de prostaglandina PGE, que reduz o nível de inflamação abdominal provocada pela endometriose. Sabemos também que o peixe é um excelente aliado para quem quer perder peso e também ajuda a controlar o nível de colesterol no sangue. Diminui os níveis de triglicerídeos e de colesterol total. Os peixes conhecidos como peixe-azul ou de água-fria, tais como, sardinha, cavala, linguado, atum, salmão, anchova, bonito, peixe- espada, dentre outros, são os mais ricos em ômega 3. Por isso, recomenda-se um aumento no consumo desses peixes. Os chamados frutos do mar, como camarões, mariscos e lagostas também contém esse doses de ácido graxo, mas em menor quantidade. E, por agir nas células nervosas, o ômega-3 ajuda combater à depressão, à ansiedade, o cansaço mental e os problemas de sono. Óleos vegetais, de oliva (azeite), castanhas, nozes também são ótimas opções de ômega 3, que também protege nosso coração e nosso cérebro, nossos mais poderosos órgãos vitais. Os ácidos graxos, presentes no óleo de peixe, podem inibir a formação dos implantes endometriais.


Leite e produtos lácteos: Estes produtos também contribuem para a estimulação da produção de prostaglandina PGE2 e PGF2A, responsável por alguns processos inflamatórios e essa proteína é essencial também para a manutenção de nossa imunidade. Mesmo sabendo que quem tem endometriose é preciso diminuir alimentos à base de gordura animal, como carnes e leites, ao mesmo tempo eles são essenciais para um bom funcionamento do nosso organismo. Para quem é vegetariano é necessário à substituição desses nutrientes por outros com mesmo teor de vitaminas e minerais. Levando-se em conta que a endometriose é uma doença autoimune, onde nossas células não conseguem combatê-la, é preciso cautela e ingeri-los em menor quantidade e sempre dê preferência aos que têm menos gordura, no caso do leite, os desnatados.


Carnes: Assim como os laticíneos, a carne também promove a produção de PGF2A, o que controla a nossa imunidade, mas deve ser ingerida o mínimo possível, no nosso caso, moderadamente. É sempre bom dar preferência à orgânica ou aquela cultivada em locais como chácaras, sítios e fazendas, de onde sabemos a procedência e quem cultivou, já que essas têm menos agrotóxicos, os tais venenos. Sinal vermelho para a carne industrializada ou boa parte delas que são vendidas no Brasil. Um boa opção é trocar a vermelha pela branca. É nessas horas, em especial, nas guloseimas saudáveis é que eu tenho saudades do meu estado natal, Goiás, onde eu sabia toda a procedência dos alimentos que eu ingeria.  

Alimentos que devemos reduzir: cafeína, álcool, chocolate, gorduras saturadas, manteiga e margarina, bebidas ricas em açúcar e carboidratos refinados. Chocolates, açúcares, arroz, refrigerantes e pratos preparados com farinha refinada enfraquecem os músculos, aumenta a fadiga, nos deixam ainda mais irritadas e ansiosas.  


Alimentos que devemos evitar: todos os produtos de soja e que contém fitoestrogênios, os alimentos contaminados por dioxinas (as toxinas ambientais liberadas na atmosfera depositadas no meio ambiente) podem aumentar o risco de desenvolvimento de endometriose, em especial, ao de origem animal. Já as gorduras saturadas, as trans ou as hidrogenadas (são aquelas produzidas artificialmente e adicionadas aos produtos industrializados) podem aumentar processos inflamatórios no nosso organismo. Elas estão presentes em biscoitos recheados, sorvetes de massa, frituras, frios, congelados, embutidos e, em especial, nos fast foods. 

domingo, 23 de setembro de 2012

ÚLTIMA SEMANA DO PRIMEIRO TURNO DO TOP BLOG BRASIL!!


Você quer ter a endometriose reconhecida como uma doença social e de saúde pública no Brasil? Esta é a última semana para votarem no A Endometriose e Eu, no primeiro turno do prêmio Top Blog Brasil 2012. É o blog mais lido no mundo todo e o pioneiro no Brasil a reivindicar nossos direitos que inclui, dentre muitos outros projetos, atendimento e tratamento qualificado pelo SUS às portadoras brasileiras O blog já indica o ambulatório de algia pélvica e endometriose da Unifesp, que atende pelo SUS, e quer que todas as capitais brasileiras ofereçam tratamento similar ao que tem lá. 

Para votar é fácil. Entre
 na página do blog, clique no selo do prêmio, que está à direita da página piscando em dourado, e segue o passo a passo. São três chances de votos. Lembrando que, para votar com o face e com o twitter, é preciso clicar no 'Ir para o aplicativo' e pronto, seu voto foi computado com sucesso. Já por e-mail, é necessário validar o voto clicando no link do e-mail que você vai receber da equipe do prêmio, em sua caixa de entrada.

Neste ano, cada pessoa tem três chances de voto, email, twitter e faacebook, e o primeiro turno vai até o dia 30 de set
embro, no próximo domingo. Vamos tornar a endometriose conhecida de nossa população e reconhecida de nossos governantes, em especial, da nossa presidente Dilma Rousseff. É uma vergonha o Brasil ser comandado por uma mulher, que não conhece e nem reconhece, a doença mais cruel e tipicamente feminina que atinge cerca de 10 a 15 milhões de mulheres no país. A endometriose é mais que uma doença, é uma nova condição de vida, é uma causa feminina. Junte-se a nós e compartilhe esse artigo entre seus amigos no facebook, twitter e por e-mail. Com a ajuda de todos conseguiremos mostrar que existimos e que somos muitas. Conto com vocês. Afinal, juntos somos mais fortes e poderemos sim fazer a diferença. Beijos com carinho!!

terça-feira, 18 de setembro de 2012

EXCLUSIVO: A CIRURGIA QUE TIRA OS FOCOS DE ENDOMETRIOSE DO INTESTINO SEM CORTES!!

Após comemorarmos o número de acessos e seguidores, hoje celebramos mais um feito do A Endometriose e Eu: a primeira entrevista exclusiva que o blog publica. Para quem não sabe, talvez possa não entender o que estou dizendo, mas dar uma exclusiva é o sonho de todo jornalista. Desde a faculdade escutamos que o bom repórter é aquele que dá os furos, que sai na frente e, consequentemente, aquele que tem mais credibilidade e seu veículo uma ótima repercussão.. é o que realiza entrevistas exclusivas. E é sempre algo extraordinário quando sabemos de inovações benéficas para nós, portadoras de endometriose. E quando falamos de invenções de um brasileiro na área da endometriose, então, temos ainda mais motivos para festejar. Ou melhor, uma reinvenção do coloproctologista e cirurgião do aparelho digestivo, o paranaense doutor Univaldo Etsuo Sagae. O nome da cirurgia é Retossigmoidectomia Videolaparoscópica com retirada do intestino pela vagina, conhecida hoje como cirurgia de NOTES (sigla para Natural Orifice Translumenal Endoscopic Surgery, em português, cirurgia endoscópica transluminal por orifício natural), onde ele retira os focos de endometriose do intestino e de outros órgãos do abdômen pelo orifício da vagina, ou seja, sem cortes. Isso mesmo!

De origem humilde, dr. Sagae cresceu na lavoura e lutou para realizar seus sonhos e, dentre eles, estava o de ser médico. Com fé e perseverança, ele superou seus obstáculos (assim como todas nós, portadoras de endometriose!) e hoje é um dos mais renomados cirurgiões em endometriose do Brasil. Ele reinventou uma metodologia que já existia para cirurgias ginecológicas, adaptando-a para a retirada de focos de endometriose do intestino e de outros órgãos abdominais e sem fazer um corte. E eu achei isso fantástico, já que em uma cirurgia sem cortes há menos chance de uma mulher ter aderências, o tal grude que nos sufoca por dentro. Fico orgulhosa em compartilhar esta brilhante iniciativa do doutor Sagae com vocês. A medicina brasileira é considerada uma das mais avançadas do mundo, pena que o sistema de saúde de nosso país não funciona, pois ainda não existe políticos engajados de coração e alma em prol da saúde da população, em especial, à da mulher. É uma pena termos tantas mentes brilhantes por aqui e elas não serem valorizadas. E esse método desenvolvido pelo dr. Sagae foi inspirada na técnica criada pelo doutor David Redwine, referência mundial em endometriose e laparoscopia, e o idealizador deste procedimento para endometriose do reto septo-vaginal, que tive o prazer de conhecer e trocar algumas palavras (escritas) pela internet e que está se aposentando, após quase três décadas de dedicação a nós, portadoras de endometriose. Outra descoberta deste brilhante brasileiro foi o diagnóstico laparoscópico da doença dentro do abdômen, onde é possível investigar todos os órgãos peritoneais, se eles foram acometidos pela doença ou não. Este método é chamado de COPE - Corrida dos Órgãos Peritoneais na Endometriose. Com vocês, a entrevista exclusiva com o doutor Univaldo Etsuo Sagae, onde ele vai falar especialmente para você queridos (as) leitores (as) do A Endometriose e Eu. E continue votando no blog, no Prêmio Top Blog Brasil 2012. É o pioneiro e o mais acessado do mundo em endometriose, na luta pelo reconhecimento da doença como social e de saúde pública. Passo a passo, aqui. Beijos com carinho!

A ENDOMETRIOSE E EU - Como é essa nova cirurgia criada pelo senhor?
DR. SAGAE Inicialmente, é preciso salientar que a Endometriose é uma doença multifocal, que pode atingir vários locais do abdômen; há uma posição local que ela atinge que é um dos grandes desafios do cirurgião, que se localiza entre o reto e a vagina e chamamos de Endometriose do Septo Reto-Vaginal. Ela se manifesta de forma clínica, tanto ginecológica quanto proctológica, gastrointestinal, dificultando a evacuação, menstruação e a atividade sexual. Por localizar-se nessa posição, ela invade o reto e a vagina e muitas vezes para remover essa doença, é preciso remover também um pedaço do reto, do intestino e da vagina. O que fiz foi criar, aproveitando a abertura da vagina, essa técnica que consiste na retirada do intestino pela vagina, ao invés de fazer um corte na barriga, pois é possível “soltar” todas essas lesões do reto, da vagina e outras lesões que há no abdômen, pela videolaparoscopia. Quando a lesão é muito grande, é preciso fazer um corte maior para a retirada da peça. E já que há a abertura na vagina, eu tiro a lesão por ali. Esse é o segredo da cirurgia - não é preciso fazer incisões abdominais, não precisa haver dor nem cicatriz em uma cirurgia do intestino.

A Endometriose e Eu - Qual é o nome desta técnica cirúrgica?
Dr. Sagae - O nome da cirurgia é Retossigmoidectomia Videolaparoscópica com retirada do intestino pela vagina, conhecida hoje como cirurgia de NOTES (sigla para Natural Orifice Translumenal Endoscopic Surgery, em português, Cirurgia endoscópica transluminal por orifício natural).

A Endometriose e Eu - É apenas para o aparelho digestivo? Se não, quais outros órgãos?
Dr. Sagae – Esta técnica foi desenvolvida há um século para retirar os órgãos ginecológicos. Há muito tempo, portanto, se tira o útero, ovário e trompa pela vagina e às vezes, drenagem de infecções também, mas nunca havia sido proposta a retirada de outros órgãos. Com a publicação de minha técnica, em 2005, outros médicos viram que era um acesso factível para a retirada de outros órgãos como, por exemplo, apêndice, vesícula e rim. Atualmente desenvolvo um trabalho para retirada de fígado, baço, pâncreas e estômago.

A Endometriose e Eu - Quanto tempo o senhor levou para desenvolver esta técnica, da ideia à concepção?
Dr. Sagae – A ideia surgiu em 1998 e desenvolvi a técnica em 2000, começando a realizá-la em 2000 e 2001.

A Endometriose e Eu - Por que teve esta ideia?
Dr. Sagae - Quem me levou à essa ideia foram os próprios ginecologistas, pois eles tiravam o útero e ovário pela vagina e então comecei a pesquisar um autor americano, o cirurgião ginecológico David Redwine, que tirava os nódulos da endometriose reto septo-vaginal pela vagina (ele tirava um pedaço da vagina e uma “tampa” do reto). Aí pensei, “por que não tirar o reto e o intestino pela vagina?” Hoje tiro até o intestino inteiro.

A Endometriose e Eu - O senhor contou com parcerias?
Dr. Sagae – Sim, contei com a parceria de alguns ginecologistas de Cascavel e São Paulo e dos colegas daqui da Gastroclínica Cascavel.

A Endometriose e Eu - Quais os benefícios desta nova cirurgia em relação à antiga?
Dr. Sagae  – No início houve grande resistência da comunidade médica devido às dúvidas de seus benefícios, mas hoje comprovadamente o seu resultado de cura é semelhante às demais técnicas cirúrgicas, tendo um índice de sucesso também semelhante. Quanto aos benefícios, podemos falar sobre a diminuição da dor, breve recuperação da paciente, possibilitando rápido retorno ao trabalho e a satisfação da paciente em não ver nenhum corte abdominal. Isso faz com que se sinta psicologicamente muito melhor, sem falar nos riscos que os cortes oferecem, como hérnias e aderências, o que não ocorre com esta técnica.

A Endometriose e Eu - Quantas cirurgias foram realizadas com esta nova técnica?
Dr. Sagae Fiz mais de cem cirurgias, em vários estados do país, entre eles, São Paulo, Ceará, Santa Catarina, Paraná, entre outros.

A Endometriose e Eu - Apresentou para algum país? Quais?
Dr. Sagae – Esta ideia já foi mostrada em vários países, entre eles, EUA, Grécia e países da Europa.

A Endometriose e Eu - Algum outro médico no Brasil está apto a fazê-la?
Dr. Sagae – Sim, há vários centros médicos no Brasil iniciando esta técnica. Caroline, quero aproveitar a oportunidade já que você é uma estudiosa do assunto e informar que pelo fato da endometriose ser uma doença multifocal - como falei no início da matéria - desenvolvi também uma técnica de  diagnóstico laparoscópico da doença dentro do abdômen, com inventário (investigação) de todos os órgãos peritoneais, porque qualquer órgão dentro do abdômen pode ser acometido pela endometriose e o que acontece nessa doença é que invariavelmente, os médicos não examinam todos os órgãos. Cada especialista examina o órgão de sua área de atuação médica, por exemplo, o ginecologista examina o órgão ginecológico, o gastroenterologista vai examinar os órgãos gastroenterológicos e assim por diante. E na verdade essa doença pode acometer qualquer um desses órgãos. Então é obrigatório hoje fazer um inventário da cavidade, examinar todos esses órgãos, para não correr o risco de deixar lesões residuais em algum ponto do abdômen ou algum local desses órgãos. Essa técnica de diagnóstico foi padronizada e conhecida como COPE - Corrida dos Órgãos Peritoneais na Endometriose, que é a tese defendida em meu mestrado na USP, em 2005.

SOBRE O DR. UNIVALDO ETSUO SAGAE:

Univaldo Etsuo Sagae nasceu em Rancho Alegre, no Paraná, e possui graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1981), especialização em Cirurgia Geral pela Universidade de São Paulo (1985), especialização em Coloproctologia pela Sociedade Brasileira de Coloproctologia (1988), especialização em Cirurgia do Aparelho Digestivo pela Universidade de São Paulo (1991), especialização em Cirurgia do Aparelho Digestivo pelo Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva (1997), especialização em Cirurgia Oncológica do Aparelho Digestivo pelo Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva (2001), residência médica pela Universidade de São Paulo (1984) e residência médica pela Universidade de São Paulo (1986), além de mestrado em Medicina (Cirurgia do Aparelho Digestivo) pela Universidade de São Paulo (2005). É professor da disciplina de Gastroenterologia e Cirurgia do Aparelho Digestivo Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

VOTE NO A ENDOMETRIOSE E EU NO PRÊMIO TOP BLOG BRASIL 2012!!

Continuem votando no A Endometriose e Eu no prêmio Top Blog Brasil 2012. É só entrar na página do blog, clicar no selo do prêmio, que está à direita da página piscando, e seguir os passos. Neste ano, cada pessoa pode votar com um e-mail, com seu facebook e seu twitter. São três chances de votos. Lembrando que, para votar com o face e com o twitter, é preciso clicar no 'Ir para o aplicativo' e pronto, seu voto foi computado com sucesso. Já por e-mail, é necessário validar o voto clicando no link do e-mail que você vai receber em sua caixa de entrada. Vamos tornar a endometriose conhecida de nossa população e reconhecida de nossos governantes, em especial, da nossa presidente Dilma Rousseff. É uma vergonha o Brasil ser comandado por uma mulher, que não conhece e nem reconhece a doença mais cruel e tipicamente feminina que atinge cerca de 10 a 15 milhões de mulheres no país.

É o A Endometriose e Eu, o pioneiro no mundo em retratar a vida de uma portadora de endometriose, na luta pelo reconhecimento da endometriose como uma doença social e de saúde pública. Apesar de ser classificada como benigna, ela tem seu comportamento maligno, pois dependente do estágio e de como ela está, seus focos podem se infiltrar nos órgãos da pelve e do abdômen e, em muitos casos, há a necessidade de retirar pedaços ou a totalidade desses órgãos acometidos. Em casos mais distintos, ela pode se espalhar também em órgãos mais distantes como olhos, pulmão, dentre muito outros. Infelizmente, a endometriose é muito mais que uma doença, é uma condição de vida e eu luto por essa causa. Compartilhe entre seus amigos no facebook, twitter e por e-mail. Com a ajuda de todos conseguiremos mostrar que existimos e que somos muitas. Afinal, juntas somos ainda mais fortes. A endometriose é uma doença crônica, progressiva e ainda sem cura, que compromete a vida da mulher na principal fase de sua vida. Beijos com carinho!

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

MAIS DE 500 SEGUIDORES, MAIS DE 1 MIL ACESSOS DIÁRIOS E 150 MIL ACESSOS!!! OBRIGADA!!!

Hoje estou aqui para agradecer o carinho de todos. Temos muitos motivos e números para comemorar. Além dos meus mais de três meses sem dores, não acreditei quando vi que ultrapassamos a marca dos 500 seguidores, mais de 1 mil acessos diários e 150 mil acessos total. O sucesso do A Endometriose e Eu só é possível graças a você. Jamais imaginei que um dia ele se tornaria o blog sobre endometriose mais seguido, o mais acessado e, consequentemente, o mais lido do mundo todo. Foi um trabalho formiguinha iniciado há dois anos e meio, com muito sofrimento, dores, lágrimas... É o meu segundo filho. Segundo porque o primeiro é o meu fofo Eduardo, meu dashound de 17 anos que já apareceu em algumas fotos comigo. Como jornalista, eu jamais imaginei que alguém iria ler, se identificar, comentar e partilhar tudo que escrevia aqui. Nunca imaginei que 176 milhões de mulheres no mundo poderiam sentir e compartilhar o mesmo sofrimento. Se isso não for a realidade de todas, é a realidade de 80 por cento. Quando fico sabendo que ajudei a salvar uma vida do sofrimento, vejo que todo meu sofrimento não foi em vão e já começo a perceber que valeu a pena passar por tudo. Infelizmente, não estamos aqui para agradar a todos, se nem Jesus, nosso grande Pai agradou, por que faremos o contrário? Mas sei que esse blog está ajudando muitas mulheres e é isso que importa. 

Em contato com minhas endoirmãs estrangeiras vejo o quando essa doença é cruel e também incompreendida por médicos, familiares, amigos, namorados, companheiros em todos os lugares. De todas que conheço, dá para contar nos dedos de uma mão, aquelas que não tiveram suas vidas destruídas pela endo, que não se submeteram a mais de uma cirurgia, que controlam a doença com remédios. Há algumas semanas descobri que minhas duas irmãs também são portadoras de endometriose. Um choque para elas, que se descobriram assintomáticas graças ao Yaz, e para mim também, mas vou falar mais sobre isso em outro artigo. Mais uma vez comprovei o quanto essa doença é ingrata e, para mim, está cada vez mais provado que a genética, assim como fatores ambientais, dentre outros, tem um fator relevante nesta enigmática doença.

É uma vergonha nosso país ser governado por uma mulher, Dilma Rousseff, que fez tanta questão que colocassem um (a) na frente da palavra presidente quando tomou posse, em 2010, mas não conhece e não reconhece que não conhece e nem reconhece a doença mais cruel e tipicamente feminina que atinge cerca de 10 a 15 milhões de mulheres no país. Dilma é preciso que você reconheça a endometriose como uma doença social e de saúde pública. Como pode ignorar tanta mulher desse jeito? O Brasil é um dos países mais doentes do mundo, com cerca de 10 a 15 milhões de mulheres com endometriose. Só com esse reconhecimento é que poderemos lutar para que todas as capitais brasileiras passem a ter um tratamento digno pelo SUS, como a Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) na capital paulista. A partir daí, a missão do blog estará apenas começando.

Para que isso se torne realidade, continuem votando no A Endometriose e Eu no prêmio Top Blog Brasil 2012É só entrar na página do blog, clicar no selo do prêmio, que está à direita da página piscando em dourado, e seguir os passos. Neste ano, cada pessoa pode votar com um e-mail, com seu facebook e seu twitter. São três chances de votos. Lembrando que, para votar com o face e com o twitter, é preciso clicar em 'Ir para o aplicativo' e pronto, seu voto foi computado com sucesso. Já por e-mail, é necessário validar o voto clicando no link do e-mail que você vai receber em sua caixa de entrada. 

É o A Endometriose e Eu, o pioneiro no mundo em retratar a vida de uma portadora de endometriose, na luta pelo reconhecimento da endometriose como uma doença social e de saúde pública no Brasil. A endometriose é uma doença crônica, progressiva e sem cura. Apesar de ser classificada como benigna, ela tem seu comportamento maligno, pois seus focos podem se infiltrar nos órgãos da pelve e do abdômen e, em muitos casos, há a necessidade de retirar pedaços ou a totalidade desses órgãos acometidos. Com a ajuda de todos iremos mostrar que existimos e que somos muitas. Afinal, juntas somos ainda mais fortes. Beijos com carinho!

domingo, 9 de setembro de 2012

COM A PALAVRA, O ESPECIALISTA DOUTOR HÉLIO SATO!!

Após o feriadão de 7 de setembro, onde celebramos a Independência do Brasil, o A Endometriose e Eu esclarece as dúvidas das leitoras Rosimery Santos e da Ana Carolina, ambas do Rio de Janeiro. Hoje, a coluna "Com a palavra, o especialista" vai abordar a questão da menstruação após a videolaparoscopia e também a questão das mulheres que retiram todos os seus órgãos reprodutores. Quanto tempo a pós a cirurgia iremos menstruar? Mesmo sem o útero e os ovários a doença poderá voltar? Com a palavra, o especialista doutor. Hélio Sato. Quem quiser participar desta seção é só deixar suas dúvidas aqui, neste post, que elas serão esclarecidas ainda neste mês pelo dr. Hélio. 

- Fiz minha quinta cirurgia de endometriose e já não tenho mais ovários, útero e trompas. Quero saber se no meu caso de ter retirado tudo, se corro o risco de ainda ter crise de dores ou ainda aparecer focos de endometriose em mim? Eu sinto ainda algumas dores no meu lado direito, no local do meu ovário direito, que foi retirado nessa minha última cirurgia, a quinta, três meses atrás. Essa cirurgia foi uma laparotomia exploradora. Essa dor está me deixando preocupada. Isso tem algo a ver com as dores que continuo sentindo? – Rosimery Santos, do Rio de Janeiro – RJ

Dr. Hélio Sato: A possibilidade de retorno da endometriose é muito remota após a retirada do útero e dos ovários. Em relação à dor, deve ser investigado, pode ser por causa muscular ou aderências ou doença intestinal, cabe ser avaliado, pois, a pelve contém muitas estruturas que podem ser causa de dor que não a endometriose.

- Fiz minha videolaparoscopia há quase um mês e ainda não menstruei. Isso é normal? Quanto tempo após a cirurgia, ficarei menstruada? – Ana Carolina do Rio de Janeiro - RJ

Dr. Hélio Sato: O retorno da menstruação varia de pessoa a pessoa e da cirurgia a cirurgia. Mas, se não foi aplicado análogo de GnRH, zoladex, lupron, etc..., deve retornar em curto prazo!

Continuem votando no A Endometriose e Eu no prêmio Top Blog Brasil 2012. É só entrar na página do blog, clicar no selo do prêmio, que está à direita da página piscando, e seguir os passos. Neste ano, cada pessoa pode votar com um e-mail, com seu facebook e seu twitter. São três chances de votos. Lembrando que, para votar com o face e com o twitter, é preciso clicar no 'Ir para o aplicativo' e pronto, seu voto foi computado com sucesso. Já por e-mail, é necessário validar o voto clicando no link do e-mail que você vai receber em sua caixa de entrada. Vamos tornar a endometriose conhecida de nossa população e reconhecida de nossos governantes. É uma vergonha o Brasil ser comandado por uma mulher, que não conhece e nem reconhece a doença mais cruel e tipicamente feminina que atinge cerca de 10 a 15 milhões de mulheres no país. É o A Endometriose e Eu, o pioneiro no mundo em retratar a vida de uma portadora de endometriose, na luta pelo reconhecimento da endometriose como uma doença social e de saúde pública. Com a ajuda de todos conseguiremos mostrar que existimos e que somos muitas. Afinal, juntas somos ainda mais fortes. Beijos com carinho!


Sobre o dr. Hélio Sato:



Ginecologista e obstetra, Hélio Sato é especializado e endometriose e em laparoscopia. Ele tem graduação em Medicina, Residência Médica, Preceptoria, Mestrado e Doutorado em Ginecologia pela Universidade Federal de São Paulo. É pesquisador principal de projeto regular da FAPESP.

Hélio Sato tem certificado em Laparoscopia pela Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e de Obstetrícia. É membro da AAGL (“American Society of Gynecology Laparoscopy”) e é membro associado da clinica GERA de reprodução humana. (Acesse o currículo Lattes do doutor Hélio Sato).


segunda-feira, 3 de setembro de 2012

TRÊS MESES SEM DORES E O MEU TESTEMUNHO SOBRE O MIRENA!!

Três meses após minha tão abençoada cirurgia, eu já posso dizer: "Graças a Deus, aos meus brilhantes especialistas, o dr. Hélio Sato, meu gineco especializado em endo, e o dr. Roberto Hiroshi Ieiri, meu coloproctologista tb especializado em endo (e quem me ajudou a descobrir a endo e o médico da minha família há 18 anos), e ao DIU de Mirena, eu estou livre das dores há 92 dias." Sim, eu conto os dias dessa minha nova vida. É como se um grande milagre tivesse acontecido em minha vida. E só quem tem endo sabe como é difícil viver com endometriose sem ter dores. Isso é de fato, um grande milagre. Como convivi com a dor crônica por mais de 10 anos (foram 18 anos até obter meu diagnóstico de endo), eu jamais imaginei que seria possível viver sem essas malditas dores. Até porque, eu já era tida como doida, como louca pra tanta gente, que uma a mais ou a menos, já não fazia tanta diferença. Aliás, eu nunca liguei para que os outros pensavam de mim. Apesar de todo meu sofrimento, todas as minhas dores, lágrimas e a depressão profunda que tomou conta de mim durante boa parte desta minha dolorosa jornada, uma coisa eu nunca perdi: a minha fé. Eu fui criada pela minha amada vozinha materna para ser uma mulher guerreira e para ter muita fé. Porém, eu jamais imaginei que todos esses ensinamentos seriam tão valiosos em minha vida. Só acho uma pena minha grande mestre não estar presente fisicamente comigo, mas sei que espiritualmente, ela sempre esteve e sempre estará ao meu lado.


Quando o dr. Hélio propôs que eu colocasse o DIU (dispositivo intrauterino) de plástico, o Mirena, confesso que fiquei com muitos pontos de interrogação em minha cabeça. Fui para casa pensativa e me perguntando: "Será que eu tento? E se meu organismo não se adaptar? E se daqui a uns meses eu começar a namorar e decidirmos ter filhos? Será que dói, porque todo mundo fala que dói quando coloca, que dói quando está para descer? Esses foram somente alguns, para não explicitar todas as minhas dúvidas aqui" Por sugestão da nossa querida Letícia Mesquita, antes mesmo de colocar o DIU de Mirena, eu já havia falado sobre ele aqui, em abril. Na época, para escrever sobre o Mirena, eu li muitos e muitos artigos, dentre eles, muitos internacionais e a maioria deles, para não falar quase todos, sempre apontava o lado bom desse medicamento. Infelizmente, ainda não existe o remédio certo que combate as dores da endo. Até porque, se existisse, teria de ser milhões deles e tb tinha e ser aquele que poderia atingir o maior número de mulheres possível. Nós sabemos que a endo é terrível e que em cada corpo, a danada reage de um jeito. Portanto, se ainda não existe a fórmula para tratar uma mulher com endo, como dá para descobrir a fórmula de um medicamento para endo? 


Hoje eu falo sobre o Mirena, porque eu estou vivendo minha melhor fase em 34 anos de vida. O dr. Hélio ofereceu-me esse tratamento, pois eu não tenho a intenção de engravidar por ora. Como em cada corpo a endo age e reage de um jeito, infelizmente, o Mirena pode ser bom para algumas mulheres, mas não para todas. Comigo foi tudo perfeito, desde a colocação, na minha cirurgia, até agora. A única coisa chata é que meu convênio se negou a pagar meu DIU, no Nipo-Brasileiro. Isso porque meu plano dava direito, mas como vivemos num país sem regras e fora da lei, sabemos que apenas quem tem dinheiro é que tem direitos no Brasil. É claro que eu vou processar meu convênio, já que o hospital se propôs a colocá-lo, mas com as remanescentes negativas do SulAmérica (acreditem, esse é o menos pior de todos eles!), fui tentar uma liminar na Defensoria Pública do Estado contra o convênio (e quase bati no delegado, pois ele falou que eu tenho cara de rica e que não precisava daquilo, mas isso vou falar em outro post). Mesmo aos prantos, morreeeeeendo de dor, mesmo nosso inimigo invisível dizendo que eu não iria conseguir, a minha fé continuou inatingível. Resultado: em poucos dias consegui com meu pai os R$ 727 (setecentos e vinte e sete reais) para comprar o DIU. Sei que muitos médicos cobram um valor beeeem mais alto, mas o médico honesto mesmo não compra o DIU para você, ele pede para você trazer o seu e ainda pode até indicar o local seguro para você comprar o seu. Se o Mirena dura cinco anos em nosso organismo, eu estou pagando R$ 12,11 (doze reais e onze centavos) por mês e R$ 145, 32 (cento e quarenta e cinco reais e trinta e dois centavos) por ano.

Em minha opinião, o tratamento mais barato e eficiente para endo, pois quase não existe mais anticoncepcional com esse preço. E outra maravilha do Mirena é o fato de não precisar tomar, todos os dias, o anticoncepcional. Aliás, foi isso que escutei de uma enfermeira, assim que cheguei ao hospital, quando ela me viu chegando com aquela caixa enorme desse DIU. Se eu soubesse que o tal do Mirena faria tanta diferença e que devolveria minha qualidade de vida, eu juro que o teria colocado em minha primeira cirurgia. Em julho, eu tive a primeira menstruação sem dor da minha vida. Em agosto, a menstruação já não veio mais. Uma benção! Eu perdi tanta coisa por conta da endometriose, que eu não quero perder mais nada para esta doença... que só Deus e a minha fé mesmo para me manterem firme e em pé.. e, claro, aos meus anjos "terrestres" que nosso Pai colocou aqui à minha disposição. Eu sou tão grata a todos eles, em especial aos médicos maravilhosos que Dus colocu em meu caminho, em especial ao ambulatório da Unifesp, onde aprendi boa parte do que sei sobre endo. Eu não estou incentivando ninguém a seguir tal tratamento ou aquele outro, mas só quero que todas conversem abertamente com seu médico sobre as possibilidades existentes no mercado, para ninguém cair em armadilhas, porque a endometriose destrói toda a vida de uma mulher, desde o fato de ela não ser mais mulher por um bom tempo para seu namorado e ou marido, até mesmo a vida familiar, social e a profissional. E eu sou uma dessas que após a perda total, tento juntar os cacos de tudo o que sobrou e reconstruí-la. E eu sei que serei capaz de redigi-la ainda melhor do que aquele capítulo que parei.

Hoje já acho que todo meu sofrimento valeu muito a pena, que todas as lágrimas que chorei, que todos os berros de dor os quais gritei e tudo que se foi, foi por um bom motivo, até mesmo aquela pessoa especial que perdemos. Se tudo que narro aqui ajuda uma pessoa, tudo que passei não foi em vão. Qual mulher com endo não perdeu alguém especial? Eu perdi a pessoa mais incrível que já conheci e convivi até hoje... foi quem me ajudou a descobrir a doença, quem me ajudou a lutar contra ela, quem ficava desesperado a cada grito de dor e que se sentia imóvel sem ter o que fazer ao me ver nesse estado, quem fez a fisioterapia uroginecológica em mim, no meu momento mais debilitante, e, que, infelizmente, nunca saberá como é viver e conviver ao lado da verdadeira Caroline Salazar, livre das dores da endo, alegre e feliz. No fundo, eu sempre tive muita alegria em viver, mas não é fácil viver e conviver com uma mulher com endometriose. Portanto, tenha fé minhas queridas amigas, companheiros e amigos, pois tenho certeza que muitas de vocês irão receber a mesma graça que eu: a de viver sem dores e reconstruir suas vidas. Porque nunca é tarde para recomeçar de novo! Agora, o único problema é me fazerem parar em casa...

Continuem votando no A Endometriose e Eu no prêmio Top Blog Brasil 2012. É só entrar na página do blog, clicar no selo do prêmio, que está à direita da página piscando, e seguir os passos. Neste ano, cada pessoa pode votar com um e-mail, com seu facebook e seu twitter. São três chances de votos. Lembrando que, para votar com o face e com o twitter, é preciso clicar no 'Ir para o aplicativo' e pronto, seu voto foi computado com sucesso. Já por e-mail, é necessário validar o voto clicando no link do e-mail que você vai receber em sua caixa de entrada. Vamos tornar a endometriose conhecida de nossa população e reconhecida de nossos governantes. É uma vergonha o Brasil ser comandado por uma mulher, que não conhece e nem reconhece a doença mais cruel e tipicamente feminina que atinge cerca de 10 a 15 milhões de mulheres no país. É o A Endometriose e Eu, o pioneiro no mundo em retratar a vida de uma portadora de endometriose, na luta pelo reconhecimento da endometriose como uma doença social e de saúde pública no Brasil. Com a ajuda de todos conseguiremos mostrar que existimos e que somos muitas. Afinal, juntas somos ainda mais fortes. Beijos com carinho!