sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

DAVID REDWINE: A MENOPAUSA CURA A ENDOMETRIOSE?

imagem cedida por Free Digital Photos

Confesso que cada dia que passa estou mais fã do cientista e médico David Redwine, que dedicou mais de 30 anos estudando a endometriose, e tratando endo mulheres no mundo todo que recorriam às suas abençoadas mãos. O que mais me cativa neste americano de semblante sereno é a paixão por estudar a doença,  a paixão por tentar elucidar fatos retratados por outros cientistas, e mais que isso, o de comprovar seus estudos. Paixão mesmo, já que ele começou a dedicar a endometriose por conta de sua primeira esposa, que sofria com a doença. Mesmo aposentado como médico, Redwine continua se dedicando a estudar a doença. E é isso que é ser médico, cientista: dedicar sua vida a salvar vidas, mesmo após aposentado. Não a toa que ele se tornou um cientista premiado. Após abordar que a gravidez não é a cura para a endo, Redwine sustenta provas mediante seus estudos que a castração da mulher (a retirada dos ovários e do útero) também não significa a cura da doença. Castração, uma palavra certeira quando se refere a mutilação da mulher. 

Quem se lembra quando falamos  que durante o I Brasil na Conscientização da Endometriose, as meninas do Endometriose Brasil encontraram em plena Avenida Paulista uma americana de 80 anos que havia descoberto há pouco tempo ser portadora da doença. Uma pena que eu estava do outro lado, pois queria muito ter feito uma entrevista com ela. Endometriose: uma doença que precisa de mais consciência dos médicos e também da sociedade para que haja o diagnóstico precoce da doença. Por isso, no dia 13 de março de 2014, vista-se de amarelo e junte-se a nós e a mais 53 países e venha marchar pacificamente conosco na Million Women March for Endometriosis, a Milhões de Mulheres Marchando contra a Endometriose. Vamos colorir o mundo de amarelo para ter a endometriose reconhecida como doença social, para ter nossos direitos perante a lei e para salvar a próxima geração de portadoras. Acesse o evento da Marcha Mundial Brasileira no facebook, veja os estados participantes e junte-se a nós! Está chegando o nosso grande dia, o dia mais esperado de nossas vidas! Em breve mais novidades incríveis! Beijo carinhoso! Caroline Salazar



A menopausa cura a endometriose?

Por doutor David Redwine
Tradução: Alexandre Vaz
Edição: Caroline Salazar

Nunca existiu um estudo controlado com recurso de biópsia que demonstrasse que a menopausa erradica, destrói ou cura a endometriose. Nem nunca existiu um estudo do mesmo tipo que mostrasse que a remoção dos ovários erradica, destrói ou cura a endometriose. Uma das pacientes mais idosas com endometriose, 78 anos de idade, foi reportada por Haydon.

A paciente mais idosa com endometriose conformada com recurso a biópsia, alguma vez tratada no St Charles Endometriosis Treatment Program tinha 74 anos. Tão forte era o conceito de que a remoção dos ovários iria destruir a endometriose, que essa senhora idosa foi sujeita à remoção do seu útero, trompas e ovários aos 73 anos de idade, para que fosse “curada” de sua endometriose, apesar de ela não  ter estrogênio quando recebeu radioterapia para destruir seus ovários na década de 1940.

De onde surgiu a noção de que a menopausa (e, por inferência, a remoção dos ovários) poderia destruir a endometriose? Como não tinha observado endometriose após a menopausa, Sampson ficou esperançado que a cessação da função ovariana iria “tipicamente e possivelmente em todos os casos” causar a atrofia da endometriose.

A endometriose precisa de mais do que verbos e advérbios para o seu tratamento. Meigs agravou o problema ao ignorar entre suas 16 pacientes de endometriose em menopausa, duas ainda tinham endometriomas. Ele propôs que fossem removidos os ovários como método para cessar a função ovariana, o que levaria os cistos no interior dos ovários a parar seu crescimento e lentamente atrofiarem.

Como exemplo do “sucesso” dessa terapia, ele relatou o caso de uma paciente com massa pélvica (que presumivelmente seria um ovário minado de endometriose) que persistiu durante 25 meses após a remoção dos ovários. Os defensores da erradicação através da menopausa parecem ter um jeito todo especial para dar opiniões sem suporte científico ou para fazer má interpretação dos dados disponíveis.

Cattell e Swinton afirmaram que “a castração irá levar as lesões a regredir e geralmente ao alívio dos sintomas”, embora não tenham apresentado nenhuns dados ou referências que suportem essa teoria. Cattell mais tarde verificou que 54% das suas pacientes com a doença intestinal significativa continuaram a ser sintomáticas ou a ter raio-X GI com anomalias após a castração, embora não tenha debatido a racional da terapia que deixou a maioria das pacientes com sequelas.

Fallon, escrevendo sem referências que suportassem suas afirmações, afirmou que “... toda a endometriose regride após a remoção dos ovários...”. Counsellor e Crenshaw afirmaram (sem referências) que “obviamente, a forma mais rápida e a mais certa para o alívio da dor é a destruição da função ovariana”.

É claro, que agora se percebe que esses estudos iniciais sobre a menopausa e a endometriose tiveram as suas conclusões com base na observação dos sintomas ou aparentes taxas endometriose entre as pacientes em menopausa: pacientes que pareciam ter menos dor, ou nenhuma dor após a menopausa, já que os ginecologistas raramente observavam a doença após a menopausa, foi concluído que a menopausa destruía fisicamente a endometriose. Não fizeram estudos de controle com base em biópsia para confirmar suas opiniões, e até hoje não existem provas concretas de que a menopausa tem o efeito por eles afirmado.

Kempers reportou 138 portadoras que tinham entrado em menopausa dois ou mais anos antes. Apenas duas tinham recebido estrogênio. 60% tinha tido pelo menos uma gravidez, e 41 possuía doença intestinal significativa. No St Charles Endometriosis Treatment Program, ele teve uma série de 65 pacientes com endometriose comprovada por biópsia, após histerectomia (retirada do útero) ou ooforectomia (remoção cirúrgica de um ou ambos os ovários). Algumas dessas pacientes estavam na casa dos 20 anos e não tinham filhos. Foi-lhes dito que a histerectomia e castração com retenção da doença as iria curar da endometriose.

Para um médico acreditar que a menopausa é um bom tratamento para a endometriose, ele deve acreditar que as mulheres não precisam de estrogênio. Para além disso, para que uma menopausa natural ou cirúrgica funcione, deverá ocorrer um efeito citocidal (que causa a morte das células) histohormonal (rede de hormônios) miraculoso ainda por descrever. Até agora, o único suporte para esse misterioso efeito é o coro estridente daqueles que sem perspectiva histórica ou científica, ainda acreditam que na sua existência.

10 comentários:

  1. Parabéns pela matéria Caroline, muito boa!!!
    Tirei uma dúvida muito oportuna, o "ovário" que apareceu em mim após histerectomia pode ser mesmo uma massa minado da endo...nossa fiquei assustada!!! Como essa doença não nos deixa em paz...nunca!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tanisia, minha querida!
      Fico feliz, pois você sempre tira suas dúvidas aqui no blog! Você é muito especial! Beijo carinhoso! Caroline Salazar

      Excluir
  2. Eunice
    Fui diagnosticada com endometriose, 3 anos após menopausa. Fico em dúvida: será que foram incompetentes e não detectaram antes, ou apareceu após a menopausa?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, não dá para saber agora. Quantos anos você tem? Você sempre teve dores, cólicas? Escreve pra mim, pois gostaria de contar sua história, para assim, alertar mais mulheres: carolinesalazar7@gmail.com coloque no título, por favor, endometriose na menopausa. Te espero. Beijo carinhoso! Caroline Salazar

      Excluir
  3. Muito interessante a matėria, nāo sei se tenho endometriose,mas tenho cólicas desde os 16 anos quando iniciou a mestruaçāo hoje com 49 anos estou com colicas nos 3 dias e tomo analgésicos, não quero tomar hormonios, serå que a menopausa vai cessar todas estas dores? Tive 3 filhos de parto normal e nāo tomo anticoncepcionais.

    ResponderExcluir
  4. Olá Caroline, amei sua matéria. Eu comecei ter cólicas horríveis após os 30 anos.A partir daí foi uma maratona a médicos. Passei por vários ginecologistas e nenhum me deu a devida atenção. Quando eu falava que queria engravidar eles me passavam todos aqueles exames tradicionais e falavam que eu estava em perfeitas condições pra isso. Mas nada acontecia. Cada mês uma decepção e mais dores. Gente, eu acordo de madrugada me contorcendo com cólicas mesmo sem estar no período menstrual. Só agora com 44 anos sendo acompanhada por uma jovem e promissora médica especialista em reprodução humana é que descobri que tinha um endometrioma no ovário esquerdo que é o responsável pelas minhas dores e certamente pela minha dificuldade de engravidar também. O que lamento é ter descoberto tão tarde, pois sei que não tenho mais chances de ser mãe da forma convencional e uma FIV está fora do meu orçamento. O que eu quero expressar aqui, é que se uma mulher sentir dores fortes e desconfiar que possa ter endometriose que corram, cuidem logo e procurem profissionais que lhe dêem a devida atenção, que investiguem a causa da dor e nunca se conforme com apenas um diagnóstico, procurem sempre uma segunda opinião. Abraços! Maria Cícera

    ResponderExcluir
  5. Até que enfim, encontrei as informações que buscava sobre a existência da endometriose na menopausa!
    Tenho 56 anos e fui diagnosticada com endometriose com 34 anos de idade- em 1994 - quando fiz uma primeira cirurgia, logo seguida de outra no ano seguinte. Após as tentativas de cura pelas cirurgias (que não surtiram maiores efeitos) veio a eterna luta no tratamento da doença, com diferentes medicamentos: Dimetrose, Zoladex, anticoncepcional injetável trimestral, e, por fim, Gestinol.
    Os meus sintomas da endometriose sempre foram, principalmente, náusea (que poderia culminar em vômito), obstrução intestinal ou diarreia, dores abdominais, cólicas menstruais fortes e fadiga ou cansaço. Todos esses sintomas, praticamente, desapareciam durante o período de tratamento, mas retornavam logo que esse era interrompido.
    Com a chegada da menopausa (quando fora informada que a endometriose cessaria) qual não foi a minha surpresa quando - mais de um ano após o fim da menstruação - comecei a sentir todos esses sintomas, novamente!
    Imediatamente, retomei o Gestinol (pois, essa era a orientação do meu médico sempre após uma interrupção do tratamento para avaliarmos o desenvolvimento da doença) e procurei um ginecologista a quem fiz o meu relato e histórico pessoal e que, imediatamento, questionou a possibilidade de endometriose na menopausa (assim, também, se posicionou o médico que fez o ultrassom endovaginal. Aliás, como sempre, ao longo desses meus mais de vinte anos de endometriose, esses profissionais têm se mostrado céticos em relação a existência da doença na menopausa!)
    Assim, logo que fiz a consulta, três meses depois de está tomando o Gestinol interrompi o tratamento (o que trouxe de volta, imediatamente, a menstruação) e fui providenciar os exames.
    O ultrassom não detectou os ovários - o que era esperado - já que na cirurgia foi retirado um por completo e parte de outro (hoje atrófico), mas detectou um endométrio com espessura além dos parâmetros de normalidade (relação cancerígena ou endometriótica?!). Estou a me perguntar!
    Fui encaminhada para um especialista!
    Depois contarei a vocês o que vamos encontrar nessa nova fase que enfrentarei!
    Muitíssimo obrigada pela esclarecedora informação que só veio acrescentar e enriquecer as tantas leituras que tenho feito sobre o tema.
    Abraços, Caroline Salazar!

    ResponderExcluir

  6. Goretti Lopes21 de dezembro de 2015 03:35
    Até que enfim, encontrei as informações que buscava sobre a existência da endometriose na menopausa!
    Tenho 56 anos e fui diagnosticada com endometriose com 34 anos de idade- em 1994 - quando fiz uma primeira cirurgia, logo seguida de outra no ano seguinte. Após as tentativas de cura pelas cirurgias (que não surtiram maiores efeitos) veio a eterna luta no tratamento da doença, com diferentes medicamentos: Dimetrose, Zoladex, anticoncepcional injetável trimestral, e, por fim, Gestinol.
    Os meus sintomas da endometriose sempre foram, principalmente, náusea (que poderia culminar em vômito), obstrução intestinal ou diarreia, dores abdominais, cólicas menstruais fortes e fadiga ou cansaço. Todos esses sintomas, praticamente, desapareciam durante o período de tratamento, mas retornavam logo que esse era interrompido.
    Com a chegada da menopausa (quando fora informada que a endometriose cessaria) qual não foi a minha surpresa quando - mais de um ano após o fim da menstruação - comecei a sentir todos esses sintomas, novamente!
    Imediatamente, retomei o Gestinol (pois, essa era a orientação do meu médico sempre após uma interrupção do tratamento para avaliarmos o desenvolvimento da doença) e procurei um ginecologista a quem fiz o meu relato e histórico pessoal e que, imediatamento, questionou a possibilidade de endometriose na menopausa (assim, também, se posicionou o médico que fez o ultrassom endovaginal. Aliás, como sempre, ao longo desses meus mais de vinte anos de endometriose, esses profissionais têm se mostrado céticos em relação a existência da doença na menopausa!)
    Assim, logo que fiz a consulta, três meses depois de está tomando o Gestinol interrompi o tratamento (o que trouxe de volta, imediatamente, a menstruação) e fui providenciar os exames.
    O ultrassom não detectou os ovários - o que era esperado - já que na cirurgia foi retirado um por completo e parte de outro (hoje atrófico), mas detectou um endométrio com espessura além dos parâmetros de normalidade (relação cancerígena ou endometriótica?!). Estou a me perguntar!
    Fui encaminhada para um especialista!
    Depois contarei a vocês o que vamos encontrar nessa nova fase que enfrentarei!
    Muitíssimo obrigada pela esclarecedora informação que só veio acrescentar e enriquecer as tantas leituras que tenho feito sobre o tema.
    Abraços, Caroline Salazar!

    ResponderExcluir
  7. Olá. Tenho 38 anos e não tenho filhos. Fui diagnosticada a 4 anos com endometriose. Em meu último exame foi constatada endometriose profunda. A minha questão é que nenhuma medicação parece impedir a evolução da doença. Sinto dores e tenho sangramentos. O que devo fazer se mesmo a menopausa precoce( que seria minha opção)não funciona também?

    ResponderExcluir
  8. Tive endometriose. Apesar dos sintomas não me.preocupei em fazer tratamento. Agora na menopaus (ultima menstruação em outro 2015) comecei a ter sangramentos intestinais. Pode ser endometriose no intestino? Obrigada!

    ResponderExcluir